Justiça de Nanuque autoriza prisões preventivas e buscas

0
Anglo Queimadas

Em Nanuque, no Vale do Mucuri, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), após quatro meses de investigação, realizou na manhã desta quinta-feira (1/10) a operação policial Káiv, dando cumprimento a 38 mandados de busca e apreensão e 25 de prisão preventiva expedidos pelos juízos da 1ª e da 2ª varas locais. Como resultado, foram presas 14 pessoas, duas delas em flagrante delito por tráfico ilícito de drogas, e foi apreendido um adolescente. 

Foram apreendidos, ainda, meio quilo de maconha, uma barra de 98.6g da mesma substância, além de três pequenas porções, cigarro e uma planta de Cannabis sativa, uma touca ninja, um dechavador, duas balanças de precisão, 40 pedras de crack, um revólver calibre 38 com numeração de registro suprimida com cinco munições, além de duas munições calibre 38.

Toda a investigação foi deflagrada em repressão aos crimes de tráfico de drogas e homicídio na cidade. A ação do grupo causou a morte de uma criança de um ano e meio, que estava deitada com o pai quando ele foi alvejado com disparos de arma de fogo por traficantes rivais. 

Segundo o juiz Thales Flores Taipina, da 1ª Vara Cível, Criminal e da Infância e da Juventude de Nanuque, as investigações apresentaram elementos que notabilizam a periculosidade delinquente e a probabilidade de recidiva criminosa dos investigados. Um deles usava tornozeleira eletrônica, o que possibilitou o monitoramento de sua conduta e evidenciou o envolvimento com aliados.

O magistrado destacou que a prisão preventiva impõe a presença do Estado no combate à desordem pública e afasta a crença na impunidade, “não podendo ser alijada pelo invocado estado de coisas inconstitucional, pois que a carência de políticas públicas quanto aos presídios nacionais determinaria mais uma punição à sociedade, obrigada que seria a conviver ainda mais com a delinquência cotidiana”.

Homofobia

Uma das ocorrências relacionadas à prisão preventiva foi uma tentativa de homicídio motivada por homofobia. No caso, a investigação apurou que o autor sempre debochava da sexualidade da vítima e, no dia dos fatos, afirmou que “não queria homossexual residindo no bairro”. A vítima, ao dizer que registraria ocorrência policial, foi alvejada com um disparo de arma de fogo que lhe atingiu a cabeça.

O juiz Thales Taipina considerou presente a probabilidade de reiteração criminosa, salientando que a motivação do crime “não está em um fato isolado ou em discussão ocasional, mas enraizada na natureza sentimental de quem se enxerga superior a ponto de entender legítimo obrigar alguém, por sua orientação sexual, a deixar o bairro onde vive”.

Operação Káiv

O nome da operação é a transliteração do nome “Caim”, escrito em grego antigo. Segundo o livro de Gênesis, na Bíblia Sagrada, este foi o autor do primeiro homicídio da história da humanidade, vitimando seu irmão Abel, por ciúme e mediante dissimulação.

Quer saber as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão? Siga-nos no Facebook @aconteceunovale, Twitter @noticiadosvales e Instagram @aconteceunovale.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui