Norte-mineiro é uma das vítimas do atentado na Catedral Metropolitana de Campinas

0

“Como isso pode acontecer com uma pessoa tão boa, dentro de uma igreja?” Este é o questionamento feito por Rosilene Coutinho Pereira, sobrinha do norte-mineiro Elpídio Alves Coutinho, de 67 anos, uma das quatro vítimas do atentado na Catedral Metropolitana de Campinas, no interior de São Paulo. O atirador Euler Fernando Grandolpho se matou após efetuar diversos disparos dentro do templo religioso.

Elpídio Alves nasceu em Ibiracatu, em uma família de oito irmãos. Ainda jovem, seguiu para trabalhar na cidade de São Paulo. Há cerca de 12 anos ele se aposentou e, segundo familiares, comprou uma chácara em Campinas, em busca de tranquilidade para a família.

“Era uma pessoa muito querida. Mesmo morando lá, ele vinha quatro ou cinco vezes no ano para o Norte de Minas. Aqui está todo mundo chocado com a notícia. Ainda mais por ter ocorrido dentro de uma igreja”, diz Rosilene.

A última visita que o aposentado fez à cidade natal foi no mês de agosto. Elpídio Alves era irmão do ex-prefeito de Ibiracatu, Orivaldo Alves de Oliveira, e tio do atual prefeito, Arlis Soares (PP). Católico, ele mantinha costumes adquiridos no interior de Minas.

“Muito religioso, e sempre ia a uma igreja próxima à casa dele, mas ontem, infelizmente, foi na Catedral. Quando vinha para o Norte de Minas, sempre fazia questão de buscar lenha para cozinhar. Ele era simples mesmo e nunca deixou suas raízes”.

Familiares de Elpídio Alves Coutinho seguiram para São Paulo para participarem do velório. O sepultamento será às 16h30 no Cemitério Municipal de Monte Mor (SP).

O norte-mineiro Elpídio Alves Coutinho, a esposa dele, Zilda, junto aos sobrinhos Arlis Soares, atual prefeito de Ibiracatu, e Gislene Costa — Foto: Arquivo Pessoal

Elpídio (3º dir para esq) sempre reunia a família — Foto: Arquivo Pessoal

Entenda o caso

O atirador Euller Fernando Grandolpho, de 49 anos, entrou na Catedral e atirou várias vezes contra pessoas durante uma missa e depois se matou. Quatro vítimas morreram e outras quatro ficaram feridas.

De acordo com a Polícia Civil, Euller Grandolpho estava com duas armas, uma pistola e um revólver, e atirou pelo menos 20 vezes dentro da igreja.

Euler Grandolpho não tinha antecedentes criminais e morava em um condomínio de Valinhos (SP), com o pai – a mãe já havia morrido. Segundo o delegado José Henrique Ventura, titular do Deinter-2, a Polícia Civil apurou com familiares que o atirador chegou a fazer tratamento contra a depressão e tinha um “perfil estranho”.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: G1 Grande Minas)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.