Polícia Civil recebeu cartas de vários países com pedidos de prisão contra ex-prefeito de Taiobeiras

0

“Fiquei surpreso, foi a primeira vez em mais de oito anos de carreira que recebi este tipo de incentivo. Me senti muito motivado ao ver que não estávamos sozinhos e que as pessoas do mundo inteiro também queriam Justiça”, conta o delegado Alessandro Lopes. Ele recebeu mais de 800 cartas de pessoas de vários países apoiando o trabalho de investigação que apurou o envolvimento de Joel da Cruz, ex-prefeito de Taiobeiras, com o abuso de crianças e adolescentes. Ele foi localizado no Pará e chegou nesta segunda-feira (4/4) em Montes Claros, onde ficará preso.

Segundo o delegado, as investigações demonstraram que Joel da Cruz abusou de pelo menos seis crianças e adolescentes. Quatro delas, com idades entre cinco e 15 anos, eram levadas até ele pelas mães. Além das filhas, as mulheres agenciavam sobrinhas e vizinhas e ganhavam de R$ 10 a R$ 200.

“As vítimas entravam na casa e ficavam na cozinha, de lá, ele as chamavam para ir até o quarto dele, onde aconteciam os atos libidinosos e práticas sexuais, depois ele retornava e chamava pelas demais”, diz Lopes.

Esta foi a segunda vez que Joel da Cruz foi preso por estupro e abuso sexual de crianças e adolescentes; na primeira ocasião ele foi absolvido das acusações. Desta vez, o ex-prefeito teve a prisão preventiva decretada em outubro do ano passado, mas após a expedição da ordem judicial, ele fugiu.

Uma das cartas enviadas por um morador do Reino Unido (Foto: Michelly Oda/G1)

Manifestações pedindo Justiça

As cartas começaram a ser enviadas para a delegacia de Taiobeiras depois que Joel da Cruz se tornou foragido da Justiça. O jornalista Matt Roper, presidente da ONG Menina Dança, que desenvolve trabalhos com crianças e adolescentes vítimas de abusos no Norte de Minas, incentivou que pessoas do mundo todo escrevessem as mensagens.

Há alguns anos, quando fazia uma reportagem investigativa na região relatando que algumas garotas virgens estavam sendo “leiloadas”, Matt Roper viu o nome e o telefone de Joel da Cruz no celular de uma das vítimas. Ao saber que o ex-prefeito estava sendo investigado por abusos sexuais, o jornalista foi a Taiobeiras e escreveu uma matéria para um jornal britânico.

“Fiz uma matéria que ganhou muita repercussão, milhões de pessoas leram e compartilharam a reportagem. Eu saí da cidade sentindo nojo pelas coisas que ouvi, ele enchia a casa de doces, chocolates e balas e ia levando as crianças uma por uma para o quarto e ainda pagava para que as mães as trouxessem à força. Soltei as matérias e as pessoas sentiram o mesmo, então pediram para fazer alguma coisa, temos um projeto na ONG que incentiva as pessoas a ajudar a fazer Justiça mandando cartas, falei para mandarem as cartas para o delegado, falando que tinha gente esperando Justiça”, explica Roper.

Surpreso, o delegado enviou as cartas, que vieram da Inglaterra, Suíça, Austrália, Canadá, Estados Unidos, para o Departamento de Polícia Civil de Montes Claros, ao qual a delegacia de Taiobeiras é subordinada. Em seguida, as mensagens foram remetidas para a chefia da Polícia Civil em Belo Horizonte.

Ex-prefeito de Taiobeiras foi preso no Pará – Foto: Divulgação

Mãe drogava filha para suportar abusos

O delegado, Alessandro Lopes, destaca que para atrair as crianças, Joel da Cruz oferecia biscoitos, balas, salgadinhos e refrigerante. Após os abusos, ele repassava dinheiro às mulheres, que agenciavam as vítimas. A violência sexual acontecia na casa dele e foi comprovada por meio de depoimentos e exames médicos.

Além do ex-prefeito, as duas mães que levavam as filhas estão presas. “Uma delas, em algumas vezes, drogava a filha menor para que ela pudesse suportar aquela situação, de ter relações com homens”. A mulher, que tem envolvimento com o tráfico, obrigava a adolescente de 13 anos a usar crack e cocaína, além de forçá-la a vender as drogas também.

Crimes e pena

Após ser preso em uma de suas fazendas em Parauapebas (PA), Joel da Cruz foi conduzido para Montes Claros, onde ficará à disposição da Justiça. Ele foi encontrado enquanto fazia uma caminhada na propriedade, que tem mais de duas mil cabeças de gado. O ex-prefeito está sendo acusado de estupro de vulnerável e abuso sexual de crianças e adolescentes. A Polícia Civil apura se ele fez mais vítimas. Denúncias podem ser feitas pelo telefone 181.

“Eu entendo que como ele foi absolvido da primeira vez, talvez pensasse que nada mais poderia ocorrer, que ele continuaria com esta prática e que nada ocorreria. Mas entendemos que ele tem que responder pelos tais atos”, destaca Alessandro Lopes.

“Os danos da violência sexual são para a vida toda. A menina perde a infância e deixa de desenvolver como deveria. Sem um acompanhamento muito específico e, às vezes, até com todo acompanhamento, ela vai continuar com as marcas dentro dela. Quem violenta, quem acha normal estuprar, pagar para ter sexo com um criança, não tem noção do estrago que está fazendo na vida dela”, ressalta Matt Roper.

O que diz o acusado

O advogado do ex-prefeito diz que as acusações imputadas ao cliente têm motivação política e que pretender tomar as medidas judiciais para soltá-lo.

(Fonte: G1 Grande Minas / Repórter: Michelly Oda)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.