Governador Valadares pode buscar água em cidades vizinhas em caso de desabastecimento

0

A prefeita de Governador Valadares, Elisa Maria Costa, informou em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (9/11) que a mineradora Samarco disponibilizou 60 caminhões-pipa para atender a população da maior cidade da Bacia Hidrográfica do Rio Doce em caso de desabastecimento. O município está em alerta por conta da passagem da onda de lama originária das barragens que se romperam em Bento Rodrigues, distrito de Mariana, e que segue pela calha do Rio Doce em direção ao mar no Espírito Santo. Segundo a prefeita, a todo momento são feitas novas análises da água e as bombas de captação alternam o funcionamento de acordo com a qualidade aferida.

A cidade conta com um reservatório capaz de abastecer a população por no máximo 48 horas, que ainda não chegou ao fim. Se necessário, os caminhões-pipa farão a coleta em poços artesianos da Copasa nas cidades de Marilac, Frei Inocêncio e Ipatinga, todas no Vale do Rio Doce. Durante a entrevista, autoridades de Valadares também informaram que a Usina Hidrelétrica de Baguari está controlando a quantidade de lama que passa no Rio Doce, com o objetivo de diluir o material e tentar evitar o comprometimento do abastecimento público das cidades ao longo do rio federal.

Dados do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) mostram que a onda passou com maior força pela Usina Hidrelétrica Risoleta Neves, em Rio Doce, na Zona da Mata, na última sexta-feira, levando o Rio Doce a uma vazão de 1.900 metros cúbicos por segundo no local. Durante o fim de semana a vazão foi diminuindo e a última medição do CPRM mostra o manancial a uma vazão de 585 metros cúbicos por segundo ontem a tarde em Governador Valadares.

Em Minas e no Espírito Santo

Outras cidades de Minas e do Espírito Santo também sofrem com a lama do rompimento das barragens. Em Belo Oriente, também no Rio Doce, todas as bombas da Estação de Tratamento de Água estão desligadas e devem voltar a funcionar somente após a o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) atestar a qualidade da água. Para evitar o desabastecimento, a prefeitura da cidade montou um esquema de abastecimento por meio de caminhões-pipas.

Em Conselheiro Pena e Aimorés, ambas na região Rio Doce, a chegada da lama nesta segunda-feira não deve comprometer o abastecimento, visto que as cidades não captam água do Rio Doce. Em Aimorés, a água é captada do Rio Manhuaçu, que deságua no Rio Doce, enquanto em Conselheiro Pena, a captação é feita no córrego João Pinto.

Em Baixo Guandu, no Espírito Santo, onde a lama também deve chegar nesta segunda-feira (09), há previsão de suspensão do abastecimento. O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) pede que a população economize água e evite transitar nas margens do Rio Doce nos próximos dias.

Já Linhares, no Espírito Santo, deve ser a última cidade a ser atingida pela lama, o que deve acontecer nesta terça-feira (10), conforme boletim do Serviço Geológico do Brasil. De acordo com o SAAE, estão sendo realizadas análises na água de cidades atingidas e, caso o tratamento não seja possível, a captação de água será interrompida.

No entanto, conforme o município, os riscos de contaminação são mínimos, visto que o ponto de captação da água fica no Rio Pequeno, onde, em 18 de outubro, foi construída uma barragem para manter o volume do rio, que também servirá como barreira para evitar o contato com a água do Rio Doce.

Na cidade de Colatina, também no Espírito Santo, as autoridades estão prevendo que a lama chegue nesta segunda-feira à cidade. O prefeito da cidade, Leonardo Deptulski, explicou que será preciso fazer testes na água para ver as condições de captação após a chegada da lama. O abastecimento na cidade deve ser interrompido ainda nesta segunda e caminhões-pipa vão atender a população.

(Fonte: Estado de Minas / O Tempo / TV Alterosa)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.