Acusado de matar o jornalista Rodrigo Neto será julgado em junho

0

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) agendou para 19 de junho deste ano o julgamento de Alessandro Neves Augusto, o “Pitote”, acusado de assassinar o jornalista Rodrigo Neto de Faria e o fotógrafo Walgney Carvalho, como queima arquivo, em março e abril de 2013, em Ipatinga, no Vale do Aço.

A data foi marcada nesta segunda-feira (23/03), pelo juiz da 2ª Vara Criminal da Comarca de Ipatinga, Antônio Augusto Calaes de Oliveira. O júri popular será realizado no Fórum Valéria Vieira Alves, no próprio município. O caso deverá ter um esquema especial de segurança.

“Pitote” é acusado de ser o autor dos disparos contra Rodrigo Neto e o Walgney Carvalho. O réu está detido na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Em 28 de março de 2014, o policial civil Lúcio Lírio Leal foi condenado a 12 anos de prisão em regime fechado pela participação no assassinato do jornalista Rodrigo Neto.

Um outro inquérito investiga os mandantes dos crimes, a motivação e quem pilotava a motocicleta que levava Pitote.

Jornalista e radialista Rodrigo Neto foi executado a tiros – Foto: Reprodução/Facebook

Execução

O jornalista Rodrigo Neto foi executado a tiros quando estava em um bar do bairro Canaã, em Ipatinga, no Vale do Aço, em março de 2013. O repórter era especializado na cobertura de notícias policiais e durante sua carreira denunciou diversos crimes, inclusive envolvendo policiais militares e civis como autores.

Segundo a Polícia Militar, ele saía de um churrasquinho na avenida Selim José de Sales, quando dois homens chegaram em uma motocicleta escura e atiraram em sua direção. A vítima chegou a ser socorrida com vida, mas morreu a caminho do Hospital Márcio Cunha.

Um outro homem, que estava com o Rodrigo Neto quando ele foi alvejado, também foi atingido mas conseguiu escapar. O itinerário de fuga teria sido traçado pelo investigador, que passou pelo local, minutos antes, viu o jornalista e o companheiro e avisou o comparsa de sua presença e posição. A motivação do crime, ainda de acordo com o MP, foram denúncias feitas por Rodrigo em emissora de rádio, contra crimes que ficaram impunes no Vale do Aço. (Hoje em Dia)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.