Mortes de seis pessoas em acidente comovem população de São Sebastião do Maranhão

0

O velório coletivo das vítimas será nesta sexta-feira, na matriz de São Sebastião para as famílias católicas, e no sindicato rural para os evangélicos.

Os corpos das seis vítimas da tragédia na BR-381, Fernão Dias, em Oliveira, no Centro-Oeste de Minas, foram liberados na madrugada desta sexta-feira, 6 de março, do Instituto Médico Legal (IML) de Campo Belo, na mesma região do estado, e seguem para o velório em São Sebastião do Maranhão, no Vale do Rio Doce. Segundo Wakhysmam Soares Pinheiro, secretária do prefeito da cidade, os funerais serão coletivos e vão começar ainda na manhã de hoje, na matriz de São Sebastião para as famílias católicas, e no sindicato rural para os evangélicos.

Wakhysmam acredita que os sepultamentos vão ocorrer ainda nesta sexta-feira, em razão do estado dos corpos das vítimas. A prefeitura decretou três dias luto e comércio da pequena cidade, de cerca de 10 mil habitantes, amanheceu com as portas fechadas. Nas portas dos locais, há avisos explicando a medida.

Prefeitura do município decretou luto de três dias – Foto: Edésio Ferreira / Estado de Minas

No asfalto da Rodovia Fernão Dias (BR-381), entre sacos de cimento e os destroços de uma carreta que os transportava e de uma van que levava pessoas de Jundiaí (SP) para São Sebastião do Maranhão, no Vale do Rio Doce, ficaram espalhados brinquedos de criança ainda embalados e roupas embrulhadas para presente. Lembranças que seriam dadas a filhos, netos e bisnetos dos seis passageiros que voltavam de viagem de lazer e trabalho, mas que acabaram mortos no km 605, na altura de Oliveira, na Região Centro-Oeste do estado. O acidente, que matou também o caminhoneiro, ocorreu ontem, por volta das 6h, e deixou estarrecida a cidade de 10 mil habitantes de onde era a maioria das vítimas: o comércio fechou, as aulas foram suspensas, o prefeito declarou luto de três dias e nas ruas ninguém comentava outro assunto. Entre os mortos estava uma professora, a funcionária do único restaurante do município, a cunhada de um vereador e o dono de uma transportadora.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a carreta que transportava cimento seguia de Belo Horizonte para São Paulo quando atravessou a mureta de divisão de pistas, entrou na contramão e atingiu a lateral da van que viajava de Jundiaí para São Sebastião do Maranhão. Morreram o motorista da carreta, Dejair Coelho de Souza, morador de Santa Gertrudes (SP), um dos motoristas da van e dono do veículo, Ivanildo Alves Shimith, e as passageiras Ana Rodrigues Carneiro, de 75, Aparecida Carneiro Morais Costa, de 32, Ana Guedes Gomes dos Santos, Maria Aparecida Fonseca Pires e Rita Ferreira de Souza Alves. O segundo motorista, que estava ao volante na van, Adriano José da Silva, sobreviveu e deu entrada com trauma de crânio na Unidade Regional de Pronto-Atendimento de Lavras, no Sul de Minas. Consciente, ele precisou ser transferido para a Santa Casa de Misericórdia da cidade e, segundo funcionários, está no Centro de Terapia Intensiva (CTI).

Inês e Laurita Carneiro perderam a mãe e a irmã caçula – Foto: Edésio Ferreira / Estado de Minas

Da janela de uma casa humilde, de paredes caiadas em branco e terreiro de chão batido no Bairro Serra Verde, periferia de São Sebastião do Maranhão, as irmãs Inês e Laurita Carneiro esperavam ontem ver o retorno da mãe e da caçula. Ana Carneiro, de 72 anos, e a filha Aparecida Carneiro, de 32, voltavam de Jundiaí trazendo notícias dos quatro irmãos que trabalham na cidade paulista, e também presentes para os netos e bisnetos. Em vez das duas, as irmãs Inês e Laurita receberam funcionários do posto de saúde, para dar a notícia da tragédia. “Quando soube, não acreditei. Não parece verdade. Só me lembrei de como crescemos juntas. De quando a gente ia para a escola juntas. Da gente sorrindo. Dos aniversários que passamos. Perdi minha melhor amiga, além de irmã, e minha mãezinha”, lamentou a lavradora Inês.

Parte dos presentes espalhados pelo asfalto seria distribuída pela matriarca da família, Ana Carneiro, entre os netos e bisnetos das famílias de seus 12 filhos. “Mãe já estava para mais de um mês em São Paulo e sempre quando voltava da visita aos meus irmãos trazia lembranças. Estou passada, à força de remédios. Mas a gente tem de ser forte, por que minha irmã Cida deixou três filhos pequenos que vão precisar da gente, porque o ex-marido dela mora em Jundiaí”, disse a dona de casa Laurita Carneiro.

Comerciantes e moradores espalharam faixas em sinal de luto – Foto: Edésio Ferreira / Estado de Minas

Comoção

Por causa das mortes, São Sebastião do Maranhão estava deserta na tarde de ontem. O comércio baixou as portas. Das sacadas e varandas de casas e edifícios, faixas pretas indicavam luto. Nas esquinas das ruas de calçamento de paralelepípedo, pequenos grupos de senhoras enxugavam as lágrimas com lenços, enquanto ouviam as notícias. Outros, de olhares atônitos, pareciam não acreditar que as pessoas que conheciam estavam mortas. “Somos todos como uma só família e uma tragédia dessas nunca tinha acontecido por aqui. As pessoas estão chocadas. Gente passando mal e sem saber o que fazer nos procurou e estamos tentando ajudar nos trâmites, com as notícias, a burocracia e os velórios”, disse a secretária municipal de Saúde, Renessa Alves Damasceno.

Segundo ela, no início houve grande apreensão por notícias e confirmação de nomes. “Chegou a ter tumulto, informações desencontradas, principalmente porque muitas vítimas viviam na zona rural. As famílias nos pressionavam, desesperadas por informações. Foi um sufoco até mais ou menos meio-dia, quando por fim confirmamos a morte das seis pessoas da cidade”, conta Renessa. De acordo com a secretária, viagens a São Paulo são comuns para moradores da região. Muitos vão trabalhar, fazer compras e visitar parentes que se fixaram no estado vizinho. Uma das vítimas, Ivanildo Shimith, era conhecido por ser dono de uma das transportadoras que fazem o trajeto com frequência.

Como a prefeitura, a igreja também tenta confortar parentes dos mortos. “A comunidade está sem acreditar, apática e muito mexida. As pessoas daqui são muito religiosas e por isso logo que ficamos sabendo iniciei visitas às comunidades rurais para ajudar. Esta é uma tragédia que vai marcar a história da comunidade para sempre e vai ser preciso muita fé para superar”, disse o padre Amarildo Dias da Silva.

Enquanto pregava na entrada de sua sorveteria uma faixa negra de luto pelos conterrâneos mortos, a comerciante Iria de Fátima Moreira, de 39, disse nunca ter visto a cidade tão abalada. “Conhecia algumas vítimas… Não somente eles, mas também pais, filhos, netos, compadres. Não tem como não ficar triste também. Por isso resolvemos estender a faixa de luto. É uma forma de nos solidarizar e de dar alguma força para as pessoas”, resumiu.

O acidente aconteceu em Oliveira. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a carreta seguida no sentido São Paulo, quando atravessou a pista e atingiu a van, que seguia em direção a Belo Horizonte – Foto: Divulgação / PRF

O acidente aconteceu em Oliveira. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a carreta seguida no sentido São Paulo, quando atravessou a pista e atingiu a van, que seguia em direção a Belo Horizonte – Foto: Divulgação / PRF

(Fonte: Jornal Estado de Minas)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.