Home / Minas Gerais / Ação conjunta pode salvar hospital de Conceição do Mato Dentro

Ação conjunta pode salvar hospital de Conceição do Mato Dentro

Hospital Imaculada Conceição foi fundado em 1939 pelas Irmãs Clarissas Franciscanas. Desde meados da década de 90 o HIC vem acumulando dívidas decorrentes de processos trabalhistas e dívidas de processos na justiça comum.

Por meio de uma ação conjunta entre a Prefeitura Municipal de Conceição do Mato Dentro, o Ministério Público e a empresa Anglo American, foi dado o primeiro passo para a solução de um problema que vem se arrastando por décadas: a recuperação do Hospital Imaculada Conceição. Com um largo histórico de dívidas, processos trabalhistas e de improbidade administrativa, o HIC enfrenta hoje uma crise evidenciada pela perda do título de filantropia, bloqueio de bens e até cancelamento dos repasses financeiros.

Hospital Imaculada Conceição foi fundado em 1939 – Foto: Divulgação / Prefeitura CMD

Fundado em 1939 pelas Irmãs Clarissas Franciscanas, o Hospital Imaculada Conceição chegou a ser referência na região, com atendimentos clínicos e cirúrgicos. Porém, desde que se iniciou o processo de decadência administrativa, a população foi ficando cada vez mais desatendida e os serviços mais escassos. A interrupção de partos, por exemplo, é um grande problema numa sociedade onde existe uma taxa de natalidade visivelmente crescente.

Desde meados da década de 90 o HIC vem acumulando dívidas decorrentes de processos trabalhistas e dívidas de processos na justiça comum causadas por má gestão e falta de recursos para sua administração. Com isso, em diversas oportunidades houve penhora e leilão de bens e bloqueio de recursos financeiros do hospital para assegurar o pagamento de dívidas, impedindo o pagamento de despesas elementares. Situação caótica que dificulta o dia a dia operacional do HIC.

Como medida de socorro, a Prefeitura Municipal entregou ao Imaculada Conceição, em novembro de 2013, R$1 mi (um milhão) em instrumentos e aparelhos médico-hospitalares adquiridos através de um convênio firmado entre o Município e o Estado. Os equipamentos foram cedidos em regime de comodato, uma maneira legal de instrumentalizar o hospital que já se encontrava numa situação judiciária preocupante.

Mas recentemente uma ação interposta à administração do HIC alarmou ainda mais a criticidade a qual se encontra o hospital. Foi determinado o bloqueio dos bens pessoais da então diretora do HIC, Paula Graciano, por ações e dívidas cuja origem é anterior à sua gestão. A ação já foi revogada e Paula deixou a diretoria. Fato é que com tantas irregularidades acumuladas ao longo dos anos, era quase impossível administrar o hospital. Todos os recursos financeiros poderiam ser bloqueados a qualquer momento, o título de filantropia foi perdido há anos, todos os bens estão penhorados e correm risco de leilão, a formalização de acordos e recebimento de verbas públicas é inviável para uma instituição em situação irregular.

Acordo

Com a chegada do Projeto Minas-Rio, ainda em 2007, a notória sobrecarga que seria gerada no sistema municipal de saúde de Conceição do Mato Dentro motivou um acordo firmado com a Anglo American que previa, dentre outras ações, um estudo para avaliação da real situação do hospital, capacitação e treinamento de profissionais, contratação de novos médicos e o pagamento de 70% das despesas do HIC pela empresa, enquanto a Prefeitura ficaria responsável por 30% das despesas. Mas o acordo, firmado em 2010, com vigência máxima de 5 anos, não pôde ser cumprido devido à situação irregular que se encontrava o hospital, já que qualquer recurso investido poderia ser bloqueado pela justiça para o pagamento de dívidas. Era considerado um problema sem solução.

Desde então, a Prefeitura Municipal vem estudando maneiras que possam viabilizar o cumprimento do acordo com a mineradora e não mediu esforços para garantir o funcionamento do hospital por meio de convênios, doações, termos de cooperação e cessão de profissionais, que tiveram um alto custo para a administração municipal. Para ser ter uma ideia, nos últimos anos, o índice de aplicação de recursos na saúde ultrapassou os 25% do orçamento municipal, quando o índice mínimo recomendado é de 15%.

Para a regularização da situação do hospital, o esforço foi ainda maior. Foram realizadas reuniões e consultas com o Governador do Estado, Secretaria de Saúde do Estado, Conselho de Desenvolvimento de Conceição, Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Saúde – CAOSAUDE, Associações de Municípios, consultores e especialistas de diversas áreas, além de visitas a outros hospitais, como o Hospital Márcio Cunha, em Ipatinga, que é uma referência em gestão.

A solução

Depois de mais de um ano de intensas discussões, com o envolvimento de inúmeros colaboradores, a conclusão foi de que a intervenção judicial seria a melhor opção para a solução dos problemas do hospital e a garantia do seu funcionamento. Com tal intervenção, nomeia-se uma comissão interventora, sob a fiscalização do Ministério Público, com poderes para contratação de profissionais necessários à gestão e administração profissional do hospital.

Durante o período da intervenção, a comissão, por meio da equipe técnica contratada, deve garantir a administração profissional do hospital e tomar medidas para a sua recuperação e pagamento das dívidas. Além disso, a intervenção permite que o hospital possa refazer as parcerias perdidas, recuperar o título de filantropia, receber verbas públicas e privadas e viabiliza o cumprimento do acordo firmado com a Prefeitura e Anglo American.

Para a secretária municipal de saúde, Paula Graciano, a solução é motivo de comemoração e abre um leque de novas possibilidades para um futuro próximo. “O Hospital agora terá recursos, receberá verbas estaduais, poderá firmar convênios e contratos, terá apoio financeiro da Anglo American e da Prefeitura Municipal de Conceição do Mato Dentro, poderá renegociar suas dívidas e quitá-las. Em breve acredito que o meu sonho e o de toda a população Conceicionense será realizado: ver o hospital funcionando bem, com bloco cirúrgico ativo, uma diretoria profissional, mais médicos, melhores condições, enfim, daremos ao povo o que é merecido: UM HOSPITAL DE VERDADE, DIGNO E PARA TODOS!”

O Hospital Imaculada Conceição, que era considerado um problema sem solução, volta a ser motivo de esperança para todos os conceicionenses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>