Polícia encontra substância tóxica em um dos tanques de cervejaria mineira

0

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) apresentou, hoje (13/01/2020), o resultado da perícia realizada na substância recolhida do tanque de refrigeração de um dos tonéis usados na produção da cerveja Belorizontina.

Segundo as investigações, o resultado deu positivo para o dietilenoglicol no lote L2 1354. A substância já havia sido detectada em amostras de duas cervejas dos lotes L1 1348 e L2 1348, que foram fornecidas pelos familiares das vítimas de intoxicação, logo no início dos trabalhos de polícia judiciária. O sangue dessas pessoas foi analisado e também foi detectada a substância. 

O chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, delegado-geral Wagner Pinto, explicou que o objetivo agora é entender como se deu a intoxicação. “Neste contexto, há uma necessidade premente do trabalho pericial. Hoje, podemos afirmar que há compatibilidade dos sintomas da síndrome nefroneural com o dietilenoglicol”, analisa.

No último sábado (11/1), peritos do Instituto de Criminalística (IC) da PCMG levaram as amostras de diversos lotes da cerveja para análise no Instituto de Criminalística da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). O superintende de Polícia Técnico-Científica da PCMG, Thales Bittencourt, coordena os trabalhos científicos e determinou que fossem realizados os testes de carbonatação. “O exame, realizado em Brasília, foi de suma importância para demonstramos que as garrafas examinadas – tanto as cedidas pelas famílias das vítimas, quanto as entregues pela empresa – estavam intactas, ou seja, sem sinal de violação”, detalha.

Foto: Divulgação / Polícia Civil de Minas Gerais

Capixaba

Uma das amostras analisadas na capital federal foi a cerveja Capixaba do lote L2 1348. O resultado deu positivo para a carbonatação, ou seja, sem possibilidade de violação; e positivo, também, tanto para o monoetilenogilicol quanto para o dietilenoglicol. “Já podemos dizer que três lotes estão contaminados com o monoetilenoglicol e o dietilenoglicol. Podemos afirmar a existência do dietilenoglicol em garrafas recolhidas na empresa, na casa das vítimas e no sangue das vítimas”, descreveu Wagner Pinto.

Durante a perícia realizada na empresa, na última quarta-feira (9/1), investigadores e peritos recolheram notas fiscais que demonstram a aquisição de monoetilenoglicol. O delegado Flávio Grossi, titular da 4ª Delegacia de Polícia Civil Barreiro, explica que as diligências preliminares começaram no domingo (5/1) e, após o resultado positivo para a presença da substância dietilenoglicol, foi instaurado o procedimento investigatório.

As investigações começaram assim que a Secretaria de Estado de Saúde informou à PCMG sobre a possiblidade de contaminação exógena. “Hoje temos a informação de 11 vítimas contaminadas, uma delas faleceu. Durante essa semana, delimitamos a janela de contaminação desses lotes, que estaria entre a 2ª quinzena do mês de novembro e 1ª do mês de dezembro de 2019. A maioria das vítimas se concentra no bairro Buritis, região Oeste da capital. O produto também foi adquirido no bairro Lourdes, região Centro-Sul, bairro Cidade Nova, região Nordeste, bairro Cruzeiro, região Centro-Sul, e em Nova Lima, Região Metropolitana de Belo Horizonte”, aponta o delegado. 

O superintendente de Polícia Técnico-Científica, Thales Bittencourt, ressalta que a cadeia de custódia das amostras analisadas está totalmente preservada. “Uma das amostras analisadas em Brasília foi apreendida na inspeção do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa). Um agente público retirou a garrafa da empresa, que foi acautelada no IC, para que fosse comparada com o lote de cervejas cedidas pelos familiares das vítimas e o resultado foi o mesmo: positivo para o dietilenoglicol. Na amostra também foi detectada a presença do monoetilenoglicol”, conclui.

Lote L2 1354 também está contaminado, diz PC – Foto: Flávia Lages/ TV Globo

Nota da Backer

Hoje, em nota, a empresa disse que, neste momento, mantém o foco nos pacientes e em seus familiares. O texto informa ainda que a Backer prestará o suporte necessário, mesmo antes de qualquer conclusão sobre o episódio. A cervejaria informa que continua colaborando com as investigações. “A empresa segue apurando internamente o que poderia ter ocorrido com os lotes de cerveja apontados pela Polícia. A Backer adianta que, na semana passada, solicitou uma perícia independente e aguarda os resultados. Reitera que, em seu processo produtivo, utiliza, exclusivamente, o agente monoetilenoglicol”, finaliza.

Quer saber as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão? Siga-nos no Facebook @aconteceunovale, Twitter @noticiadosvales e Instagram @aconteceunovale.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.