Ministério da Agricultura interdita cervejaria em Belo Horizonte

0

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) interditou a cervejaria Backer, fabricante da Belorizontina, em Belo Horizonte (MG). Exames laboratoriais realizados pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) identificaram a presença da substância dietilenoglicol em amostras de ao menos dois lotes da cerveja. Uma pessoa morreu e mais duas foram internadas após consumirem o produto, segundo as autoridades.

Além da interdição da fábrica, foram apreendidos 16 mil litros de cervejas, em caráter cautelar. O ministério também determinou ações de fiscalização para a apreensão dos produtos que ainda se encontram no mercado.

Segundo o ministério, auditores fiscais agropecuários continuam averiguando em que situação a contaminação dos lotes da cerveja ocorreu. Após as análises laboratoriais, afirmou o ministério, novas informações serão prestadas. O presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), Carlo Lapolli, disse hoje (10/01/2020) que a substância dietilenoglicol raramente é usada na produção de cervejas.

Logo após a Polícia Civil ter revelado o resultado da perícia, a cervejaria Backer informou que vai recolher todos os vasilhames de Belorizontina dos lotes L1 1348 e L2 1348. A medida, segundo a empresa, é preventiva, pois o dietilenoglicol não faz parte do processo de produção de suas cervejas. A cervejaria não aponta nenhuma hipótese para explicar como, então, a substância teria contaminado os produtos periciados.

“A Cervejaria Backer continua à disposição das autoridades para auxiliar no que for necessário até a conclusão das investigações”, afirmou a empresa, em nota.

PCMG encontrou dietilenoglicol em lotes da Belorizontina – Foto: Divulgação

Nota da força-tarefa

A força-tarefa criada para analisar os casos de pacientes com a síndrome nefroneural esteve reunida durante todo esta sexta-feira (10/01) e esclarece que:

  1. Foram dez casos suspeitos, sendo que um veio a óbito. Os demais seguem em tratamento.
  2. Até o momento, ficaram prontos os resultados de exames sanguíneos de três pacientes internados, realizados pela Polícia Civil. Existia a substância dietilenoglicol nas amostras de sangue.
  3. Novos lotes da cerveja Belorizontina, produzida pela Backer, continuam em análise.
  4. Com a descoberta da substância, um novo protocolo clínico para intoxicação por dietilenoglicol, visando o tratamento dos pacientes, será divulgado para profissionais da Saúde. 
  5. Consumidores que possuem produtos da cervejaria Backer e desejarem se desfazer das mercadorias devem encaminhá-las somente à Vigilância Sanitária de Belo Horizonte, nos endereços já divulgados, e, no interior do estado, aos Procons municipais. A eles, caberá articular com a Vigilância Sanitária Municipal a coleta e armazenamento dos produtos. O recolhimento se restringe à cerveja adquirida pelos consumidores.
  6. As investigações continuam, inclusive, com a colaboração da empresa citada. A força-tarefa atualizará as informações constantemente.

Seguem os endereços da Vigilância Sanitária de Belo Horizonte:

  • Barreiro: Avenida Olinto Meireles, 327 – Barreiro
  • Centro-Sul: Avenida Augusto de Lima, 30, 14º andar – Centro
  • Leste: Rua Salinas, 1.447 – Santa Tereza
  • Nordeste: Rua Queluzita, 45 – São Paulo
  • Noroeste: Rua Peçanha, 144, 5º andar – Carlos Prates
  • Norte: Rua Pastor Murilo Cassete, 85 – São Bernardo
  • Oeste: Avenida Silva Lobo, 1.280/ 5º andar – Nova Granada
  • Pampulha: Avenida Antônio Carlos, 7.596 – São Luiz
  • Venda Nova: Avenida Vilarinho, 1.300/ 2º Piso – Parque São Pedro

A entrega deve ser feita de segunda a sexta, das 8h às 17h.

Nota do Ministério da Agricultura

Diante do risco iminente à saúde pública, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizou, como medida cautelar, o fechamento da Cervejaria Backer, fabricante da cerveja Belorizontina. Na mesma oportunidade, foram determinadas ações de fiscalização para a apreensão dos produtos que ainda se encontram no mercado.

Segundo a Polícia Civil do Estado de Minas Gerais, por meio de informação preliminar de 9 de janeiro de 2020, foi identificada a substância “dietilenoglicol” em amostras de cerveja pilsen, marca Belorizontina, lotes L1 1348 e L2 1348.

Auditores fiscais federais agropecuários – nas especialidades farmacêutica, química e de engenharia agronômica – prosseguem apurando as circunstâncias em que ocorreram a contaminação verificada pelas autoridades policiais nos lotes indicados, a fim de dar pleno esclarecimento à população dos fatos.

Análises laboratoriais seguem sendo realizadas nas amostras coletadas pela equipe de fiscalização das Superintendências Federais de Agricultura. Além disso, mais de 16 mil litros de cervejas foram apreendidos cautelarmente. Novas informações serão prestadas após os resultados das análises laboratoriais feitas pelo Mapa.

VER PRIMEIRO: Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.