Projeto Rede de Sementes e Mudas vai contribuir para a restauração florestal na Bacia do Rio Doce

0

Será lançado na próxima terça-feira, dia 3 de dezembro de 2019, o projeto da Rede de Sementes e Mudas da Bacia do Rio Doce, que vai abranger os estados de Minas Gerais e Espírito Santo. A iniciativa é fruto de uma parceria firmada entre a Fundação Renova e o Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN), com a colaboração da Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX) e da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

O evento acontecerá em Governador Valadares (MG), no auditório do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), e será aberto ao público. Na ocasião, representantes da Fundação, CEPAN, UFSCar e ARSX, vão apresentar as principais atividades do projeto, que terá duração de três anos e será inserido, especialmente, nas áreas onde atua o Programa de Recuperação de Nascentes, Áreas de Preservação Permanente (APP) e de recarga hídrica da Fundação Renova.

Devido à grande demanda de sementes e mudas para a execução desses programas, focados na recuperação da bacia do rio Doce, foi criado esse projeto, que vai além de apenas contratar fornecedores de sementes. Na prática, a Rede de Sementes vai movimentar a cadeia de fornecimento de sementes e mudas para a região afetada.

A proposta é que a Rede possa vender sementes não só para a Fundação Renova, mas também para compradores de outros estados do Brasil que abrangem o bioma de Mata Atlântica. A iniciativa, portanto,  tem o intuito de impulsionar uma economia de base florestal na região e gerar oportunidades socioeconômicas.

O projeto vai dar suporte à meta da Fundação Renova de restaurar 5 mil nascentes e 40 mil hectares de APPs. “A Rede de Sementes terá participação de associações e instituições de ensino presentes na área de abrangência da bacia do rio Doce para auxiliar no desenvolvimento das atividades e contribuir para o sucesso das ações”, explica o analista socioambiental da Fundação Renova, Felipe Tieppo.

Para que as metas sejam cumpridas nos prazos estabelecidos, serão implementadas metodologias e estratégias que favoreçam o ganho de escala e a inclusão de pessoas na cadeia produtiva da restauração florestal. “Dessa forma, a Rede de Sementes e Mudas auxiliará na estruturação dessa cadeia produtiva, em especial, os produtores de insumos [sementes e mudas nativas], que são os elos fundamentais dessa atividade”, destaca Severino Ribeiro, diretor-presidente da CEPAN.

Foto: Divulgação / Fundação Renova

Redes de Sementes e Mudas

As redes de sementes e mudas pretendem trabalhar a figura do coletor, apresentando mais uma possível atividade para os futuros integrantes da rede, e consolidar na bacia do rio Doce mais uma opção de metodologia de recuperação de áreas degradadas: a semeadura direta, que oferece o potencial de rápido recobrimento de solo com baixo custo de implantação.

O projeto prevê a mobilização de pessoas-chave, treinamentos técnicos e administrativos, formalização da Rede como uma associação independente e apoio e monitoramento técnico e comercial. Também será criado um aplicativo de cunho comercial e uma Casa de Sementes, local que servirá como ponto de distribuição das sementes.

VER PRIMEIRO: Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.