Pesquisadores fazem descoberta com potencial de tornar agricultura mais sustentável

0

Um sofisticado mecanismo de defesa desenvolvido pela raiz de plantas foi a recente descoberta de um grupo de cientistas dos Estados Unidos, da Holanda e do Brasil, com a participação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Meio Ambiente.

Entender o funcionamento dessa estrutura pode contribuir, no futuro, para o controle de doenças e pragas agrícolas, e reduzir o uso de produtos químicos, tornando a agricultura mais sustentável.

Em 2011, a equipe de pesquisadores já havia descrito o modo como as plantas controlam o recrutamento de bactérias no solo mais próximo das raízes e as usam para se proteger de doenças.

Agora, a pesquisa mostrou que, quando atacadas por patógenos, organismos capazes de causar doenças, as raízes das plantas conseguem interagir com fungos e bactérias do solo para se proteger em uma escala muito mais complexa e ampla do que já era conhecida pela ciência.

O pesquisador brasileiro, chefe adjunto de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa Meio Ambiente, Rodrigo Mendes, explicou que, caso um fungo vença as duas primeiras barreiras que são impostas pelo solo e pelo tecido da planta, uma terceira barreira é acionada, a planta consegue recrutar microorganismos específicos dentro do tecido da raiz, e é capaz de fazer com que eles produzam substâncias que impeçam o ataque do fungo.

“Então, existe um arsenal de moléculas produzidas dentro das raízes das plantas pelos microorganismos que impedem que o fungo se estabeleça e cause doença na planta hospedeira”, disse.

Um artigo sobre o resultado inédito da pesquisa foi publicado na revista norte-americana Science, uma das publicações acadêmicas mais prestigiadas do mundo, descrevendo como a flora microbiana que vive dentro das raízes defende naturalmente as plantas contra a invasão de organismos causadores de doenças.

Experimento com mudas de beterraba cultivadas da Embrapa Meio Ambiente – Foto: Divulgação/Embrapa

Benefícios da pesquisa

Rodrigo Mendes contou que a pesquisa segue em andamento para avançar em estratégias que possam ser aplicadas na agricultura para torná-la mais sustentável com o uso de menos agrotóxicos.

“O entendimento da condição do solo, que permite com que a planta se proteja naturalmente, permite a gente desenvolver estratégias de manejo que favoreça a defesa natural da planta e não precise ou diminua a necessidade de utilizar moléculas químicas no campo. Despertar esse mecanismo na planta faz a gente não ter que usar outras estratégias”, explicou.

No experimento foram analisadas mudas de beterraba cultivadas. Segundo Mendes, a descoberta expande o potencial para investigar esse mecanismo em demais culturas.

VER PRIMEIRO: Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.