Home / Brasil / Produção de aço cai 2,8% no primeiro trimestre

Produção de aço cai 2,8% no primeiro trimestre

No primeiro trimestre, a indústria brasileira de aço teve um desempenho 2,8% inferior ao do mesmo período do ano passado, com produção de 8,4 milhões de toneladas. As vendas internas caíram 0,1%, com 4,4 milhões de toneladas, e o consumo aparente caiu 1,4%, somando 4,9 milhões de toneladas.





A queda ocorreu, segundo o Instituto Aço Brasil, porque o setor ainda vem sentindo os efeitos das dificuldades na economia brasileira, com o atraso na aprovação da reforma da Previdência.

“Os resultados não foram positivos”, disse hoje (25) o presidente executivo do instituto, Marco Polo de Mello Lopes, em entrevista em São Paulo. “Isso não era esperado. Veio aquém daquilo que se imaginava. Nos primeiros três meses, o que tinha sido considerado vital pelo governo, que é a reforma da Previdência, que é um divisor de águas, é que o governo teve dificuldades grandes em relação à sua aprovação. É um governo novo, com propostas, estrutura e forma novas, ainda em acomodação das engrenagens todas. E o Congresso criou dificuldades para a aprovação daquilo que consideramos algo absolutamente prioritário ”, ressaltou.

“Para nós, é fundamental que haja retomada do crescimento econômico. Isso é imprescindível para o país”, afirmou. “Para ter esse crescimento econômico de forma sustentável, tem que fazer o dever de casa. Tem que arrumar a cozinha. Tem que arrumar a casa. E o arrumar a casa é o ajuste fiscal. É fundamental, imprescindível para o país, aprovar a reforma da previdência. Há mobilização enorme de nossa parte junto a parlamentares, junto à mídia, junto a entes formadores de posição e de opinião, no sentido de convencê-los da importância estratégica da aprovação da rerforma. Ela é vital. A reforma tributária também. Existe um manicômio tributário que precisa ser resolvido. ”

De acordo com o Lopes, para 2019 a indústria espera bom desempenho, com crescimento nas vendas internas de 4,1% em relação ao ano passado, somando 19,5 milhões de toneladas. No consumo aparente, a expectativa é fechar o ano com aumento de 4,6%, atingindo 22 milhões de toneladas, segundo o presidente do Instituto Aço Brasil, o que só deve ocorrer se o Brasil conseguir fazer o ajuste fiscal, com as reformas da previdência e tributária. “ Se a reforma for aprovada com densidade, e ela não pode ser desidratada, tenho certeza de que esses números serão alterados para cima.”

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: Agência Brasil)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>