Prefeitura de Ipatinga alerta para surto de doença que atinge gatos e pode ser transmitida aos humanos

0

Uma doença que atinge os gatos e pode ser transmitida aos humanos tem deixado em alerta as autoridades de saúde de Ipatinga. De janeiro a novembro de 2018, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) eutanasiou 200 felinos com Esporotricose, um tipo de micose profunda que provoca graves lesões na pele, potencialmente fatais no gato, quando não tratadas em tempo hábil.

A contaminação ocorre através do contato das garras do animal com material orgânico em decomposição contaminado, como cascas de árvores, palhas, farpas, espinhos e o solo. Com o fungo instalado, o gato transmite a doença aos humanos através de arranhões, mordidas e contato direto com a pele lesionada.

Segundo a médica veterinária do CCZ de Ipatinga, Shara Regina da Silva, o risco de morte nos gatos diminui se a doença for diagnosticada no início.


[adrotate banner=”26″]


“É muito importante observar se o gato está com feridas abertas, principalmente no rosto (focinho) e nos membros. Se isso for identificado, é importante levá-lo imediatamente ao veterinário. A maior dificuldade para a cura do animal é quando os donos atentam para o problema num estágio já avançado”, salienta.

Ainda de acordo com a médica veterinária, “uma das formas mais eficazes de prevenção é a castração do felino, para que eles não saiam de casa, diminuindo as brigas e disputa de território, que é o momento em que um gato infectado transmite aos demais. A doença tem tratamento e cura, o segredo é diagnóstico precoce”, destaca.

Foto: Prefeitura de Ipatinga/Divulgação

Nos animais, em casos mais avançados da doença, surgem puses nas feridas, que costumam progredir para o resto do corpo, sem cicatrização. A perda de apetite, apatia, emagrecimento, espirros e secreção nasal também são manifestações da doença.

Nos seres humanos, a manifestação começa com um pequeno caroço vermelho, que pode virar uma ferida. Geralmente, aparecem nas mãos, nos braços, nas pernas ou no rosto, às vezes formando uma fileira de pequenos nódulos ou feridas. Também podem aparecer dores nas articulações e febre.

“Nós orientamos à população para que não solte os animais doentes em qualquer lugar. Não matem o animal e enterrem no solo. Os profissionais da Secretaria de Saúde de Ipatinga realizam atendimento a esses casos. Basta que o munícipe leve o animal às dependências do Centro de Controle de Zoonoses, no bairro Cidade Nobre, no período de 8h às 15h30”, explica a médica veterinária Shara Regina.

Foto: Prefeitura de Ipatinga/Divulgação

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:

[adrotate banner=”27″]

(Ascom Ipatinga)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.