Home / Vale do Jequitinhonha / Mãe e filho morrem em desabamento de mina de pedras preciosas no Vale do Jequitinhonha

Mãe e filho morrem em desabamento de mina de pedras preciosas no Vale do Jequitinhonha

Uma família de quatro pessoas foi soterrada durante o desabamento de uma mina de pedras preciosas desativada, na tarde desta quinta-feira (05/07/2018), no município de Medina, no Vale do Jequitinhonha. Euzita Francisca Alves, de 40 anos, e o filho dela, Vanilson Alves Ribeiro, de 17, morreram no local. O marido de Euzita e outro filho do casal, de 6 anos, sobreviveram sem ferimentos graves. Eles foram socorridos por terceiros e levados ao Hospital de Medina.

O pai, de acordo com a Polícia Civil, foi atingido parcialmente pelos blocos de terra e conseguiu sair da mina de pedras sozinho. A criança não escapou do soterramento, mas foi socorrido por terceiros sem nenhum ferimento graças a uma fresta que se abriu entre dois blocos grandes de terra.

A mãe e o filho adolescente, segundo a PC, morreram no local e os óbitos foram atestados por uma equipe do SAMU. A polícia informou que a local do acidente é uma propriedade privada, que possui algumas minas de pequeno porte, localizada na região do Córrego dos Cachorros.

De acordo com a Polícia Militar, é a primeira ocorrência de desabamento registrada na região. A casa da família vítima do acidente fica próxima ao local, no Bairro da Saudade, em Medina. A PC acredita que o acidente tenha ocorrido porque o casal começou a escavar a parte de baixo do barranco, até que a região de cima cedeu e caiu em cima da família.

Ainda de acordo com a polícia, há várias famílias que fazem lavra no local em busca de pedras preciosas. Não há empresa que gerencie a extração. A PC acredita que as vítimas tinham acordo com o proprietário da fazenda para dividir porcentagem da venda de pedras preciosas, caso as encontrassem.

O homem e a criança de seis anos foram levados ao Hospital Santa Rita. Eles foram medicados e tiveram alta ainda na tarde desta quinta. Os corpos da mãe e do filho adolescente foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) em Almenara.

Duas pessoas morreram no desabamento de mina (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: G1 Grande Minas)

3 Comentários

  1. Será que é esse o Brasil que essa família queria?
    Me diz se dentro de uma mina é realmente lugar de um adolescente e de uma criança de seis anos.
    Meu Deus! Onde vamos chegar com esses governantes que rouba o direito de um adolescente o direito de uma criança o direito de uma mãe de família os direitos de todos os cidadãos brasileiros.
    É lamentável você ler uma matéria dessa. Será que os filhos de deputado filho de um governo de estado filho de um presidente da república sabe o que é uma mina? Tenho certeza que não. Nem mesmo os pais deles sabem. Só tenho uma certeza, deque essa pobre coitada tão jovem várias vezes correu á beira de uma urna eletrônica para votar nesses corruptos covardes ladrões e maus caráter dando poder á esses bandidos pra que eles em recompensa a colocasse juntamente com seu filho adolescente dentro de um urna de madeira , ceifando de vez todos os sonhos daquela família.
    Infelizmente somos milhares de que temos colocar nossas vidas nos maiores riscos para termos um pão para dar nossos filhos.
    Obrigado governantes desse país.
    Vocês heróis! São poucos os que conseguem construir mineiros
    como esses. Parabéns!

    • Infelizmente, meu caro , essa é uma realidade antiga na região do Vale do Jequitinhonha. Nasci e (sobre)vivi até os 17 anos na zona rural de Turmalina, e dos 13 aos 16 anos trabalhei muito em garimpos , com explosivos, em condições extremamente precárias. Era uma época que ninguém se importava com isso.
      Amo o Vale do Jequitinhonha, mas fico triste e envergonhado ao ver que esse povo tão trabalhador continua, em pleno século XXI, parecendo das mesmas mazelas de quase meio século atrás….

  2. Infelizmente, meu caro , essa é uma realidade antiga na região do Vale do Jequitinhonha. Nasci e (sobre)vivi até os 17 anos na zona rural de Turmalina, e dos 13 aos 16 anos trabalhei muito em garimpos , com explosivos, em condições extremamente precárias. Era uma época que ninguém se importava com isso.
    Amo o Vale do Jequitinhonha, mas fico triste e envergonhado ao ver que esse povo tão trabalhador continua, em pleno século XXI, parecendo das mesmas mazelas de quase meio século atrás….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>