Vice-prefeito e dois vereadores de município norte-mineiro são condenados por compra de votos

0

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE/MG) acolheu parcialmente o parecer do Ministério Público Eleitoral e manteve a condenação do vice-prefeito de Monte Azul, Antônio Idalino Teixeira, e dos vereadores Geraldo Moreira dos Anjos e Marineide Freitas Ferreira Silva pelo crime de corrupção eleitoral (art. 299 do Código Eleitoral).

De acordo com a denúncia da Promotoria Eleitoral, os fatos foram apurados no bojo da Operação Curinga, oriunda de investigação conjunta com a Polícia Federal e o Instituto Nacional da Seguridade Social (INSS) que apurou fraude na concessão de benefícios do INSS. Além dos crimes cometidos contra a previdência, as investigações demonstraram também que os acusados praticavam crimes eleitorais e contra a Administração Pública do município de Monte Azul.

Eleições de 2014 – No segundo semestre de 2014, na época das eleições gerais, os acusados constituíram um grupo organizado, com divisão de tarefas, e implementaram diversas ações utilizando verba do município para obter apoio da população em benefício de candidatos apoiados por eles.

As interceptações telefônicas, com autorização da Justiça, demonstraram que o vice-prefeito Antônio Idalino Texeira, conhecido na região como “Toninho da Barraca”, distribuiu gratuitamente canos, combustível, serviço de limpeza de lote, água para piscina fornecida por caminhões-pipa e tratamento dentário, tudo custeado por verbas da prefeitura. Os vereadores Geraldo Moreira e Marineide auxiliaram o vice-prefeito na distribuição dos benefícios.

Julgamento – O MP Eleitoral denunciou os acusados por 27 atos de corrupção eleitoral, além do crime de transporte irregular de eleitores, mas durante o julgamento, o TRE reconheceu que Antônio cometeu o crime de corrupção eleitoral apenas em sete ocasiões, e os vereadores Geraldo Moreira e Marineide em duas ocasiões cada um. Os três foram absolvidos do crime de transporte de eleitores.

Na decisão, o Tribunal Regional Eleitoral reconheceu a culpa dos acusados: “Existe conteúdo probatório nos autos que permite afirmar a existência de liame entre os réus para o cometimento de um dos delitos, a saber, a corrupção eleitoral”, diz a condenação.

Antônio Idalino Teixeira foi condenado a dois anos e um mês de reclusão e ao pagamento de 70 dias-multa; Geraldo dos Anjos e Marineide Silva, a 1 ano e dois meses de reclusão e ao pagamento de 10 dias-multa cada um. Todas as penas foram substituídas por penas restritivas de direitos (pagamento de prestação pecuniária e na prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas).

Outros crimes – Antônio Idalino Teixeira e Geraldo Moreira dos Anjos ainda respondem a um processo na Justiça Federal de Janaúba pelos crimes de organização criminosa (art. 2º da Lei nº 12.850/2013) e estelionato contra a Previdência Social (artigo 171, parágrafo 3º, do Código Penal). Marineide Freitas responde pelo crime de organização criminosa.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: MPF/MG)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.