Cidades do Leste e Nordeste de Minas Gerais sofrem com a escassez de recursos hídricos

0

A Copasa atualizou nesta semana a lista de cidades das regiões Leste e Nordeste de Minas Gerais que precisaram adotar o sistema de rodízio emergencial no abastecimento de água devido ao período de estiagem.

Nos vales do Aço e Rio Doce estão listadas nesta situação as cidades de Engenheiro Caldas, Entre Folhas, Inhapim, Periquito, Revés do Belém, Santa Efigênia de Minas, São Geraldo, Tumiritinga, São José do Acácio, Sardoá, Urucânia e Vargem Alegre.

Dessas, Engenheiro Caldas, São José do Acácio (distrito de Engenheiro Caldas) e Vargem Alegre decretaram também estado de emergência devido à escassez hídrica. Distritos na zona rural de Caratinga e Bom Jesus do Galho também estão em estado de emergência.

Nas regiões do Jequitinhonha e Mucuri, o sistema de rodízio foi adotado na cidade de Pedra Azul, onde já foi decretada situação de emergência.

Em algumas cidades, a Copasa chegou a suspender, temporariamente, o rodízio após o registro de chuva. Caso de Periquito, que estava com abastecimento em rodízio desde setembro.

Local onde é captada a água que abastece Guanhães (Foto: Divulgação/SAAE)

Outras cidades com captação independente de água também decretaram estado de calamidade, a exemplo de Guanhães, no Vale do Rio Doce.

Central de Minas é outra cidade a decretar estado de calamidade. O Rio São José, que abastece a cidade, quase secou. O município chegou a construir dois poços mas, segundo o diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), não foram suficientes para abastecer toda a cidade.

“A parte alta desde que a gente começou com o poço artesiano ela tá sendo abastecida com caminhão pipa, por que essa água não é nem suficiente para abastecer a parte baixa. Nós estamos trabalhando 24 horas, com três turnos para tratamento de água e mesmo assim está escasso”, disse o diretor da empresa de saneamento, José Luiz Neto.

Agonia

A situação de estiagem castiga muitos moradores. Nas cidades de Caratinga e Bom Jesus do Galho, apesar de algumas ocorrências de chuvas desde o fim de outubro, lagoas e córregos, que há meses sofrem degradação, estão desaparecendo.

Rubens de Melo mora há mais de 40 anos no distrito de Cordeiro de Minas, zona rural de Caratinga. No último ano o produtor rural viu a cisterna de sua propriedade secar completamente. O desespero de evitar que as cabeças de gado morressem de sede o levou a caminhar diariamente com o rebanho por cerca de oito quilômetros até a lagoa mais próxima onde os animais podem tomar água.

O sofrimento apenas foi amenizado quando, no auge do desespero, Rubens decidiu cavar uma nova cisterna dentro da calha do córrego seco; lá conseguiu água para tratar dos animais. “Foi Deus que me levou a cavar ali. Olha pra o cê ver, nos tava desesperado; eu tenho 16 cabeças de boi ali e não podia deixar morrer”, disse o produtor que vive da aposentadoria rural dele e da esposa, que juntas somam dois salários mínimos.

O córrego seco em que o produtor cavou a cisterna é conhecido como Lagoa Silvana e nasce no distrito como um dos principais afluentes, sendo ainda importante ponto turístico da região que sofre com as consequências dos problemas climáticos associados à degradação ambiental.

O sargento da Polícia Militar de Meio Ambiente, Nereu Santana, há mais de 23 anos trabalha na região e fala que o efeito de recuo no nível da água é inédito. “Antigamente essa lagoa vinha até a beira da estrada; hoje tem pontos que ela recuou mais de 100 metros para dentro. Onde hoje é vegetação antes era água. A seca do córrego certamente afetou bastante na quantidade de água”, pontuou.

No distrito, onde a água não falta é de má qualidade, segundo os moradores. “Essa água das cisternas aqui já foram pesquisadas em Caratinga e lá foi provado que ela está contaminada”, comentou Roberto Almeida, morador da cidade que mostrou que a água que sai da cisterna das casas dos moradores apresentam cor e cheiro forte; os mais de 2.500 habitantes do distrito não têm tratamento de água e esgoto.

Na mesma localidade, outro ponto que tem dado tristeza aos moradores é a Lagoa Vermelha, na divisa de Bom Jesus do Galho e Caratinga. A lagoa já perdeu quase a metade do seu nível de água nos últimos anos, o que preocupa quem já viu o local cheio.

“Essa lagoa perdeu mais de dois metros no nível de água. Além dos problemas climáticos, nós percebemos que teve uma queimada ou um incêndio que afetou a mata ciliar” comenta o tenente da PM, Ednilson Emerique.

Chuvas

Segundo o meteorologista Ruibran dos Reis, a quantidade de chuva esperada para esse fim de ano na região não será suficiente para recuperação o total do nível de água.

“O que está acontecendo é que nós últimos cinco anos as chuvas estão abaixo da média, e isso vem acumulando e tendo reflexo nas lagoas e lagos da região. O esperado é que essa chuva ajude, mas ainda não vai ser capaz de recuperar em totalidade, uma vez que o período chuvoso, que vai até abril do ano que vem, não deve ser maior que a média dos últimos anos”, destacou.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: G1 Vales de Minas Gerais)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.