21 de outubro de 2017 - 20:56
Home / Vale do Mucuri / Policiais são afastados após assassinato de mulher dentro de viatura em Teófilo Otoni

Policiais são afastados após assassinato de mulher dentro de viatura em Teófilo Otoni

Os dois policiais que estavam na viatura, onde uma mulher foi morta pelo ex-companheiro em Teófilo Otoni (MG), estão afastados das funções. Segundo o comando do 19º Batalhão da Polícia Militar, eles também vão responder a processos de caráter administrativo e penal. No sábado (07/10/2017) os policiais conduziram, no mesmo compartimento da viatura, uma mulher e o ex-companheiro que ela havia denunciado. Com uma faca que levava escondido no tênis, o homem atingiu o pescoço da vítima, que morreu na hora. Ele foi preso.

O comandante da Polícia Militar de Teófilo Otoni (MG), tenente coronel Fábio Marinho dos Santos, deu detalhes dos procedimentos que foram tomados depois do homicídio registrado dentro da viatura. “Eu considerei a situação como crime militar e, imediatamente, os dois foram presos em flagrante por homicídio culposo – quando não há a intenção de matar – e comuniquei a situação à Justiça militar. No domingo, a Justiça militar concedeu alvará de soltura, dando aos militares o direito de responder ao processo penal em liberdade”.

Ainda segundo o comandante, os militares vão responder um processo administrativo e estão afastados por oito dias das funções operacionais para acompanhamento psicológico. Medidas disciplinares também vão ser tomadas no âmbito da Polícia Militar. “Eles vão responder por negligência e omissão. Negligência por não cumprirem os procedimentos padrões na revista do conduzido e omissão por permitirem que a vítima e denunciado fossem levados no mesmo compartimento da viatura”, esclareceu.

O corpo de Laís Andrade Fonseca foi enterrado neste domingo (8) em Pavão (MG). O ex-companheiro permanece preso no presídio de Teófilo Otoni (MG).

Laís Andrade foi morta em viatura da PM (Foto: Reprodução/Facebook)

Entenda o caso

A atendente de 30 anos foi assassinada pelo ex-companheiro, no sábado (07/10/2017), dentro de uma viatura da Polícia Militar em Teófilo Otoni (MG). Laís Andrade Fonseca foi golpeada no pescoço com uma faca. O suspeito do crime, Valdeir Ribeiro de Jesus, de 34, que estava com a vítima no banco traseiro e sem algemas, tentou se matar após o ato criminoso.

De acordo com a PM, Laís Andrade havia acionado a corporação para denunciar que Valdeir Ribeiro teria instalado uma câmera no banheiro da casa dela, em Pavão (MG). Ao finalizar o registro da ocorrência, a vítima solicitou que o ex-marido fosse liberado, porque não tinha intenção de prejudicá-lo e pretendia reatar o relacionamento. No entanto, a Delegacia de plantão orientou os militares a conduzir o homem e a mulher para que o material apreendido pudesse ser periciado, uma vez que poderia conter imagens de um menor.

Conforme a PM, Valdeir não apresentava comportamento agressivo, não proferiu ameaças e não possuía histórico de agressão. Por isso, depois de ser submetido à busca pessoal, ele foi colocado no banco traseiro da viatura, sem algemas, junto com a mulher.

Durante o deslocamento até Teófilo Otoni, segundo a PM, o casal permaneceu tranquilo e dormindo. No entanto, assim que acessou a BR-116, Valdeir acordou, se apossou de uma faca e atingiu Laís. Em ação contínua, o homem golpeou o seu próprio pescoço por duas vezes e pulou da viatura em movimento, sofrendo várias escoriações.

Os dois militares, que faziam a condução, pararam a viatura e efetuaram a prisão do suspeito, que se encontrava em fuga. Em seguida, levaram a vítima até a unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e pediram ajuda para socorrê-la. A mulher não resistiu e veio a óbito.

Como o suspeito entrou com uma faca na viatura?

O delegado Eduardo Gil esclareceu como o homem conseguiu entrar armado na viatura. “Ele passou por uma busca pessoal, com é feito de praxe, mas antes de seguir viagem pediu para passar em casa para pegar alguns documentos. Foi neste momento que ele pegou uma faca e escondeu dentro do tênis. Situação que não foi notada pelos militares, nem pela ex-companheira”, explicou Eduardo Gil.

Ainda segundo o delegado, durante os fins de semana e feriados funciona o esquema de plantão regionalizado. Trabalha apenas a principal unidade da Polícia Civil de determinada região. Desta forma, em casos de flagrantes nas cidades que compreendem esta região, os envolvidos precisam comparecer à Delegacia Regional para prestar depoimento.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Com G1 Vales de Minas)

2 Comentários

  1. Quem ensinou esta abordagem?
    Quase todos os absurdos de conduta surgem da imitação daqueles a quem não podem se assemelhar.

    Ajudem o Estado de Minas Gerais ( VIRANDO UM TRAPO QUALQUER) a converter as nossas convicções em conduta e compromisso.

  2. Amo Jequitinhonha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>