Secretaria de Saúde reforça a importância da vacina contra a HPV ofertada pelo SUS

0

A vacina contra HPV, oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS), pode prevenir os cânceres do colo do útero, vulva, vagina, pênis, ânus e orofaringe, refletindo diretamente na redução dos casos de HPV, e também nas mortes provocadas pelo vírus. Atualmente, a dose está disponível de forma gratuita nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) para meninas de 9 a 14 anos e para os meninos de 11 a 14 anos.

Mesmo assim, a cobertura estadual da vacina ainda está baixa, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). Os últimos dados epidemiológicos mostram que, para a segunda dose, a cobertura é de 51,8% em meninas e 0,11% em meninos, valores muito aquém da meta estabelecida de 80%.

Uma das causas atribuídas é que o assunto suscita muitas dúvidas entre mães, pais e adolescentes, sobretudo na internet. Inclusive, têm surgido vários grupos nas redes que, por desinformação ou ignorância, não fazem uso das vacinas ofertadas no Calendário Nacional de Vacinação, o que pode ocasionar danos à saúde individual e a saúde coletiva.

Os principais debates levantados são de que a vacina contra o HPV estimularia uma comportamento sexual de risco. Há, ainda, informações equivocadas, como a de que a vacina pode ter reações adversas severas, ou a de que, depois da vacina, não é necessário utilizar preservativo nas relações sexuais. Ou, ainda, de que a imunização não previne em 100% o HPV. Para sanar todas essas dúvidas, o Blog da Saúde MG reuniu os principais mitos e verdades sobre a vacina do HPV.

Para a diretora de Vigilância Epidemiológica da SES-MG, Janaína Almeida, a pouca adesão dos adolescentes à vacinação é reflexo de vários aspectos. “O adolescente tem uma resistência em relação à vacina (pelo fato de ser injetável), desinformação das inúmeras doenças que elas protegem, tabus acerca da sexualidade e do câncer. A vacinação do adolescente não é uma dificuldade apenas no Brasil, mas também no mundo inteiro”, ponderou.

Por razões como essas, a estratégia que está sendo utilizada é a vacinação na escola, em parceria com a Secretaria Estadual de Educação, por meio do Programa Saúde na Escola.

Ampliação

Recentemente, o Ministério da Saúde publicou uma nota técnica ampliando o grupo prioritário da vacinação para pessoas de 15 a 26 anos, nos munícipios que estejam com lotes da vacina que irão vencer em setembro de 2017 e em janeiro, fevereiro e março de 2018.

Diante disso, a SES-MG orienta aos seus municípios que disponibilizem a vacina para o público ampliado somente após fazer uma busca ativa entre o público convencional. Se após priorização ainda restarem estoques, a vacina poderá ser administrada em indivíduos de ambos os sexos na faixa-etária de 15 a 26 anos de idade, em três doses (0-2-6 meses).

A diretora de Vigilância Epidemiológica da SES-MG, Janaina Almeida, explica que o HPV é transmitido por contato direto com uma pessoa infectada, sendo que a principal forma de transmissão é por via sexual, que inclui contato oral-genital, genital-genital ou mesmo manual-genital.

“Em 2014, o Ministério da Saúde introduziu no Calendário Nacional de Vacinação a vacina quadrivalente contra o papilomavírus humano (HPV), tendo como objetivo principal a redução do câncer do colo do útero nas mulheres. Nos meninos, diversos estudos têm demonstrado o papel importante da vacina HPV na prevenção do câncer anal, de pênis, orofaringe e verrugas genitais”, alerta.

Além disso, por serem os responsáveis pela transmissão do vírus para suas parceiras, os homens, ao receberem a vacina, colaboram com a redução da incidência do câncer do colo do útero e vulva nas mulheres, prevenindo também casos de cânceres de boca e orofaringe, bem como verrugas genitais em ambos os sexos.

A coordenadora de IST/AIDS e Hepatites Virais da SES-MG, Jordana Costa, destaca também outras formas de prevenção do HPV. “Além da vacina, é importante utilizar preservativo feminino ou preservativo masculino e realizar o exame Papanicolau anualmente para as mulheres que possuem vida sexual ativa”, reforça.

O que é o HPV?

O HPV é causado pelo Papiloma Virus Humano. Seu contágio é preferencialmente, por via sexual e a principal consequência são doenças oncológicas provenientes da infecção.

A infecção pelo HPV é uma das IST mais frequentes no mundo. O risco estimado para a exposição a essa infecção é de 15% a 25% a cada nova parceria. Em grande parte dos casos, a infecção é autolimitada e transitória, sem causar qualquer dano.

A maioria das pessoas que entram em contato com o HPV, se não desenvolverem lesões clínicas (ex.: verrugas anogenitais) e não realizarem testes laboratoriais, poderão nunca ter a infecção diagnosticada.

Aproximadamente, 1% a 2% da população apresentam verrugas genitais e 2% a 5% das mulheres apresentam alterações do Papanicolau provocadas por infecção pelo HPV. A prevalência é maior em mulheres jovens, quando comparadas com mulheres com mais de 30 anos.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: Agência Minas)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.