Home / Brasil / Deputado da tatuagem é acusado de assédio sexual

Deputado da tatuagem é acusado de assédio sexual

A jornalista Basília Rodrigues, da Rádio CBN, acusou o deputado Wladimir Costa (SD-PA) de assédio. Em seu perfil no Facebook, ela contou que o episódio ocorreu na véspera da votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, durante o jantar que reuniu Temer e diversos deputados na casa do vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB).

Naquela terça-feira havia a dúvida se a tatuagem era apenas temporária, o que o deputado sempre negou. Durante o jantar, na presença de outros jornalistas e parlamentares, Basília questionou Wladimir Costa sobre o caso e perguntou se ele poderia mostrar a tatuagem, a fim de comprovar sua versão de que se tratava de um desenho definitivo. O deputado então respondeu: “Para você só (mostro) se for o corpo inteiro”. A jornalista, então, pediu mais respeito ao deputado.

O Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal divulgou nota em que critica a “conduta antiética, misógina, machista e racista do deputado”. Em nota, Wladimir Costa negou o assédio. “Eu disse para ela que mostraria o corpo inteiro porque tenho seis tatuagens. O corpo inteiro não quer dizer necessariamente nu”, escreveu o deputado. “Isso aí (acusações de assédio sexual) virou moda, completou.

Wladimir Costa tatuou o nome temer no corpo (Foto: Divulgação)

Polêmico

Dividindo as profissões de deputado e de vocalista da Banda Wlad, de música brega, Wladimir é ex-vendedor de pasta de dente no mercado Ver-o-Peso, em Belém, e ganhou fama comandando programas de rádio policialescos. Começou a semana que passou chamando atenção ao ser fotografado, na segunda, sem camisa, ostentando um “Temer” tatuado no ombro. Na quarta, além de jogar um boneco inflável na cabeça de colegas, foi fotografado no WhatsApp com uma mulher: “Mostra a tua bunda”. Diz que se tratava de brincadeira.

Já causara estardalhaço em abril de 2016, ao estourar confetes no plenário ao votar pelo afastamento de Dilma Rousseff.

Sua posição mais frequente, no entanto, é a ausência. Neste mandato, não participou de 73% das votações. Na Câmara desde 2003, não aprovou nenhum projeto próprio. Já propôs criar o dia do professor de dança e anexar o Amapá ao Pará. Um terceiro projeto pune deputados que, no exercício do cargo, caluniem ou ofendam “qualquer pessoa ou outro parlamentar”.

Ele é alvo de dois pedidos de investigação por calúnia, injúria e difamação no STF e foi cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA), que o condenou por não ter declarado R$ 400 mil em 2014. Caso confirmado pelo Tribunal Superior Eleitoral, o deputado pode se tornar inelegível.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: O Tempo)

1 Comentário

  1. Este Deputado é a cara do Congresso Nacional que temos. Ele é um autêntico pilantra, cara de pau e canalha. Fico imaginando os eleitores que votaram nele…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>