Home / Minas Gerais / Montes Claros, Salinas, Jaíba, Araçuaí e Poços de Caldas entram na rota do projeto Voe Minas Gerais

Montes Claros, Salinas, Jaíba, Araçuaí e Poços de Caldas entram na rota do projeto Voe Minas Gerais

O Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) e da Secretaria de Transportes e Obras Públicas (Setop), dá início a terceira fase do Voe Minas Gerais, Projeto de Integração Regional – Modal Aéreo. A partir de 1º de junho, cinco novas cidades passam a receber os voos do projeto: Araçuaí, Jaíba, Montes Claros, Salinas e Poços de Caldas. As rotas já existentes no projeto foram remanejadas para atender as cidades que apresentam maior demanda.

Uma das novidades da terceira fase do Voe Minas Gerais é o lançamento de um “hub” de voos no território Norte do Estado, conectando, entre si, as cidades de Montes Claros, Salinas e Jaíba. O objetivo é complementar o serviço de aviação comercial já oferecido em Montes Claros. Embora a iniciativa privada mantenha voos regulares entre a cidade e Belo Horizonte, foi identificada uma demanda de transporte aéreo para outros municípios da região. A partir de Montes Claros, os usuários dos voos comerciais poderão, por exemplo, completar sua viagem até Salinas ou Jaíba, utilizando o serviço do projeto. Uma aeronave será dedicada exclusivamente ao atendimento da região e serão oferecidas, por mês, cerca de 60 horas de voo.

Os voos para o município de Araçuaí conectam a cidade à capital e ampliam o atendimento à população do Vale do Jequitinhonha. A cidade de Almenara também faz parte do projeto, tendo sido incluída à malha aérea do Voe Minas Gerais em março deste ano. Essa nova iniciativa atende às diretrizes do Governo de promover a redução das desigualdades regionais e estimular o desenvolvimento nas áreas mais carentes do Estado.

O Voe Minas Gerais é uma iniciativa de fomento ao transporte aéreo regional, inédita no Estado, e que tem como fundamento a flexibilidade das rotas, que são desenvolvidas e adaptadas para atender às demandas locais. As passagens do projeto são vendidas pelo site www.voeminasgerais.com.br.

Transporte é feito pela Two Táxi Aéreo (Foto: Reprodução/Site Tudo Viagem)

Patos de Minas

O desenvolvimento do segmento de aviação regional e a transferência do serviço para a iniciativa privada são alguns dos objetivos do Voe Minas Gerais, alcançados em Patos de Minas. Após a operação do projeto no município e dos bons resultados alcançados na rota, uma empresa privada passou a oferecer o serviço na cidade, o que vai de encontro a um dos objetivos principais do Voe Minas Gerais: estimular novos negócios, aproveitando a infraestrutura aeroportuária pública disponível no Estado. Por isso, os voos do projeto serão suspensos em Patos de Minas.

Outras cidades que deixam de receber os voos do projeto a partir de junho são: Curvelo, Divinópolis, Lavras, Muriaé e Ponte Nova. O acompanhamento e análise sistemática dos resultados das rotas não indicou procura ou taxa de ocupação suficiente para a manutenção do projeto nessas localidades. O atendimento do Voe Minas Gerais está sendo redirecionado às cidades que apresentaram maior demanda por serviço aéreo nas fases anteriores do projeto.

Voe Minas Gerais

O Voe Minas Gerais foi lançado em agosto de 2016, ligando 12 cidades mineiras ao Aeroporto da Pampulha, na capital. Em novembro do ano passado, outras cinco cidades foram incluídas às rotas, que passaram a ter, além de voos diretos para Belo Horizonte, opções de escala, com voos que ligam os municípios do interior entre si.

Os 18 municípios atendidos a partir da terceira fase são: Almenara, Araçuaí, Araxá, Belo Horizonte, Diamantina, Juiz de Fora, Jaíba, Manhuaçu, Montes Claros, Passos, Poços de Caldas, Pouso Alegre, Salinas, São João del-Rei, Teófilo Otoni, Ubá, Varginha e Viçosa.

Os voos são realizados em aeronaves Cessna Grand Caravan 208 B, que transportam até nove passageiros. O valor das passagens varia de R$ 100 a R$ 550, de acordo com a distância percorrida.

O projeto busca fomentar os negócios locais, desenvolver o turismo, integrar as diversas regiões do estado e facilitar o deslocamento de moradores do interior para Belo Horizonte, permitindo que tenham acesso rápido a eventos e serviços disponíveis na capital. Para Minas Gerais, que possui uma área total de quase 600 mil quilômetros quadrados, o investimento na regionalização por meio do transporte aéreo é estratégico para atender a meta de redução das desigualdades nos 17 territórios de desenvolvimento estabelecidos pelo Governo do Estado.

Segundo informações da ANAC, Minas Gerais conta com 86 aeródromos públicos. A administração, a manutenção e a exploração dos aeródromos públicos são atribuições da União. A Setop vem trabalhando em processos de delegação União-Estado, possibilitando investimentos do Governo estadual em reformas, melhorias e posterior delegação aos municípios ou empresas, para operação e manutenção.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: Codemig)

1 Comentário

  1. Há alguma pretensão de colocar Caratinga no mapa de Minas Gerais?

Deixe uma resposta para Antonio Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>