Home / Vale do Mucuri / Produtores da região de Teófilo Otoni recebem orientação para habilitação sanitária de agroindústrias

Produtores da região de Teófilo Otoni recebem orientação para habilitação sanitária de agroindústrias

As políticas públicas do Governo de Minas Gerais para fortalecer a agricultura familiar no estado, por meio das Secretarias de Estado de Desenvolvimento Agrário (Seda) e de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), têm contribuído para expandir cada vez mais as potencialidades do mercado. Prova disso são os resultados promissores nesse segmento, impulsionado com a geração de emprego e renda.

Neste contexto, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) – Unidade Regional de Teófilo Otoni vem realizando um trabalho de orientação junto aos produtores de pães, quitandas, café e uma ampla variedade de alimentos mineiros típicos, justamente para que os agricultores familiares atendam aos requisitos e consigam a habilitação sanitária exigida pelos órgãos regulamentados para produção e comercialização.

No município de Ladainha, no Território Mucuri, por exemplo, a panificadora Variedade União, da empreendedora e vice-presidente da Cooperativa dos Agricultores Familiares, Adilene Nogueira, 41 anos, recebeu a habilitação no segundo semestre de 2016.

Estação de tratamento de esgoto da panificadora Variedade União, em Ladainha (Foto: Emater)

Ela deu início ao processo de habilitação da agroindústria de quitandas artesanais depois da chegada do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) em seu município – dois importantes programas federais que envolvem a agricultura familiar, com o apoio do Estado.

Após buscar a Vigilância Sanitária Regional de seu município, ​a empreendedora procurou a Emater-MG – Unidade Regional de Teófilo Otoni – com o Plano de Ação em mãos (instrumento desenvolvido especificamente para cada produtor, dependendo do estágio em que se encontra a agroindústria). O passo seguinte foi a assinatura do Laudo de Fiscalização e o Termo de Compromisso do Agricultor junto à Emater-MG, para dar início ao trabalho de direcionamento e acompanhamento técnico.

Para conseguir certificar sua panificadora, a Emater-MG orientou a empresária a realizar todos os passos necessários. O primeiro direcionamento foi a realização do curso de 40 horas de “Boas Práticas de Manipulação de Alimentos”, oferecido pelos órgãos competentes (como o Sebrae, por exemplo), dando-lhe condições de se tornar a responsável técnica da unidade.

Em seguida, outros procedimentos foram orientados, desde análise da água em laboratórios, investimento em novas tecnologias (como o sistema de cloração da água) e reformas para novas instalações, até o preenchimento de planilhas de custos e prazos.

“Estamos acompanhando a gestão da agroindústria, fluxo de caixa, gestão dos negócios, rotulagem e preparação do produto para o mercado, como embalagem, rótulo, especificações do produto, índice nutricional, tudo de acordo com os requisitos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”, observa o técnico regional da Emater, Cid Glauco.

Confira, a seguir, o detalhamento do trabalho realizado pelo técnico em cada uma das unidades de agroindústria interessadas no suporte da Emater-MG:



Com a recente conquista da habilitação sanitária, Adilene comemora o aumento da produção e da renda mensal de sua panificadora. Antes, ela produzia cerca de 20 a 25 kg de quitanda por semana, nos fundos de sua própria casa. Hoje, sua produção aumentou para atender às demandas e está atingindo entre 60 e 80 kg semanais. Com isso, ela também projeta outros sonhos e o desejo por novas conquistas no mercado promissor.

“Para mim foi um grande ganho. Tudo mudou: a organização, o empreendimento, a renda, o volume de mercadorias e, principalmente, as vendas para pessoas que compram nossos produtos. Antes nós entregávamos sem ter a orientação de ninguém e pensamos que não fossemos conseguir a habilitação. Nossa renda aumentou em cerca de 20% e o mercado de atuação ficou mais amplo porque começamos a entregar nos mercados e escolas da cidade de Ladainha. O nosso negócio melhorou muito a partir da habilitação”, diz Adilene Nogueira, empreendedora e vice-presidente da Cooperativa dos Agricultores Familiares.

De acordo com a coordenadora regional de bem-estar social da Emater – Unidade Regional de Teófilo Otoni, Élida Abrantes, este trabalho da empresa é fundamental junto aos produtores.

Conquistar a habilitação e participar dos mais de 2 milhões de recursos do PNAE e dos 30% da compra obrigatória de produtos da agroindústria familiar adquirido pelas escolas, de acordo com a legislação do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), além das ações da Seda que têm mostrado resultados, é uma meta de estímulo para os milhares de produtores da agroindústria familiar em Minas Gerais.

Fortalecimento da agroindústria familiar

Desde 2015, a Secretaria de Desenvolvimento Agrário (Seda) vem investindo em melhorias, avanços e implementação de novas políticas para fortalecer o setor de agroindústria.

A retomada do programa estadual de regularização fundiária rural; a ampliação do projeto de apoio aos circuitos curtos de comercialização, com a entrega de mais de 250 kits feira, beneficiando municípios nos 17 territórios de desenvolvimento; e a entrega de 36 caminhões-baú isotérmicos para municípios de todas as regiões do Estado, estão entre as principais ações.

No Portal da Agricultura Familiar (www.portaldaagriculturafamiliar.mg.gov.br), plataforma digital criada para aproximar a demanda de instituições públicas da oferta dos produtores locais, já estão cadastrados cerca de 3.500 agricultores familiares.

“Quando o produtor vislumbra o mercado proporcionado, atualmente, pelas políticas públicas que regulamentam a compra destes produtos, o mercado se torna promissor para quem tem a habilitação sanitária”, afirma a coordenadora de bem-estar social, Élida Abrantes.

Com a habilitação sanitária, o agricultor pode explorar o potencial e a demanda crescentes do mercado. A Emater – Unidade Regional de Teófilo Otoni abrange, hoje, 23 municípios, na região do Vale do Mucuri, onde está sendo desenvolvido o trabalho, e cerca de 47 agroindústrias familiares para serem habilitadas pela Vigilância Sanitária Regional.

Destas, três já receberam a visita de técnicos da Emater-MG e estão iniciando os procedimentos, uma está com certificação provisória e outra foi habilitada.

Habilitação sanitária de origem animal

Os produtos de origem animal são cadastrados e registrados pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) ou pelos órgãos municipais competentes, como o Sistema de Inspeção Municipal. Atualmente, em Minas Gerais, são 216 agroindústrias familiares com cadastro ou registro no IMA que possuem a habilitação sanitária para comercializar os seus produtos no território mineiro.

No caso da Emater – Unidade Regional de Teófilo Otoni, o trabalho é voltado apenas aos agricultores que produzem alimentos de origem vegetal. Cada produtor desse segmento interessado deve se direcionar à Emater para conseguir o auxílio técnico para habilitação, processo que leva, segundo a instituição, hoje, cerca de dois anos para ser finalizado.

Emater-MG

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater–MG) está presente em cerca de 790 municípios do Estado, e seu trabalho virou referência nacional. Vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), do Governo de Minas Gerais, a empresa é responsável pelo atendimento a aproximadamente 400 mil agricultores mineiros.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: Agência Minas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>