Home / Minas Gerais / Justiça nega pedido de morador do Norte de Minas para suspender propaganda do presunto “Luis Augusto”

Justiça nega pedido de morador do Norte de Minas para suspender propaganda do presunto “Luis Augusto”

A 12ª Câmara Cível do TJMG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais) manteve decisão liminar de um juiz de uma comarca do Norte de Minas que negou o pedido de um adolescente para que a empresa de alimentos Sadia tirasse do ar uma peça publicitária. Na propaganda, um personagem chamado Luis Augusto, homônimo do autor da ação, faz referência a um presunto de baixa qualidade.

O menino ajuizou a ação em agosto de 2016, com pedido liminar para retirada imediata do vídeo, argumentando de que o conteúdo vinha lhe causando constrangimento e transtornos. A solicitação foi rejeitada, porque o magistrado entendeu que probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo, condições necessárias para a concessão do que era demandado, não estavam presentes.

O adolescente impetrou agravo de instrumento com objetivo de cassar a liminar, alegando que a propaganda lhe causou problemas, pois ele passou a ser vítima de bullying na escola. O consumidor sustentou que passou a ser alvo de brincadeira que o apelidava “presunto de segunda”, o que acarretou danos à sua honra.

Empresa criou o presunto “Luis Augusto” (Foto: Divulgação)

Em sua defesa, a empresa argumentou que o anúncio em questão não feria qualquer valor social, tampouco estimulava prática desrespeitosa, estando em consonância com os dispositivos legais regulatórios publicitários. “O que importa é o inusitado sentimento de cuidado e apego que o fatiador adquiriu em relação ao presunto Luis Augusto, estimado companheiro de jornada no balcão de frios no estabelecimento”, alegaram os representantes da empresa.

Para a fabricante de alimentos, não havia desrespeito ou incitação ao bullying, mas “uma publicidade criativa que se utiliza de técnicas fantasiosas de ficção, comuns ao meio publicitário e da dramaturgia”.

O relator, desembargador José Flávio de Almeida, entendeu que o consumidor trouxe ao processo provas bastantes de que sofreu bullying. Porém, ele concluiu que o comercial era insuficiente para associar o nome Luiz Augusto a um produto de baixa qualidade.

Os desembargadores José Augusto e Juliana Campos Horta votaram de acordo com o relator. Para preservar a identidade do autor da ação, não será informado o número do processo.

Propagandas



VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Com informações do TJMG)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>