21 de outubro de 2017 - 21:13
Home / Brasil / “Fabinho Liderança” a dois passos da linha sucessória

“Fabinho Liderança” a dois passos da linha sucessória

A chegada do mineiro Fábio Ramalho (PMDB-MG) à 1ª Vice-Presidência da Câmara dos Deputados, cargo que o coloca a dois pés da linha sucessória da Presidência da República, surpreendeu muita gente no meio político.

Ele, no entanto, garante que já sabia do seu potencial de “puxador de voto”. “Desde o início eu sabia que teria a vice-presidência. Em dezembro, dei entrevista e afirmei isso”, disse à reportagem.

Um eventual afastamento do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), que tem sido citado por suposto envolvimento em casos investigados na “Lava Jato”, levaria o parlamentar mineiro ao comando da Casa Legislativa.

Ex-prefeito da cidade de Malacacheta (1997-2004), no Vale do Mucuri, e líder do bloco de Minas na Câmara, o que lhe valeu a alcunha de “Fabinho Liderança”, Ramalho está na Casa desde 2007 e tenta se desvencilhar da imagem de figura folclórica.

Ramalho chegou à vice-presidência da Câmara com 265 votos (Wilson Dias/Agência Brasil)

Comensal

Boa praça e de trato fácil com políticos, funcionários e populares que frequentam a Câmara, Fabinho ficou conhecido pelos dotes de comensal. Em dias em que a votação varava a noite, já serviu leitão à pururuca e galinhada numa área anexa ao plenário para os parlamentares que quisessem matar a fome. “Gosto de cozinhar comida mineira, é uma coisa que vem de família”, explica.

Além disso, seu apartamento funcional ficou conhecido por receber festas reunindo deputados e senadores, algumas delas “quentes”, nas palavras de algumas fontes.

“Ninguém sabe o que tem de lenda urbana nessas festas, mas que existe lenda, existe. Vai senador, deputado, ministro – ia o Temer, no tempo em que o Temer era deputado federal. Até hoje, dizem que os dois têm uma boa relação e o Fabinho é um dos poucos deputados que têm acesso fácil ao gabinete do presidente”, afirma uma das fontes. Com Temer, viajou para a China, e também tinha bom trato com Lula e Dilma.

Defesa

Seu colega de partido e também deputado federal Rodrigo Pacheco (PMDB-MG) o defende. “Numa Casa que é a expressão do que é o povo brasileiro, o Fábio representa muito bem o eleitorado dele. As ações do Fábio não podem ser interpretadas com demérito: ele gostar de servir as pessoas, de receber, inclusive em momentos em que a gente que fica muito sem comer, nas sessões da Câmara… é um gesto importante”, afirma.

Certo é que a atuação de Ramalho contribuiu, por exemplo, para a articulação de deputados mineiros junto ao governo Temer, na tentativa de renegociação da dívida do Estado com a União, ano passado.

E as visitas do Fernando Pimentel (PT) e do hoje senador Antônio Anastasia (PSDB) à Malacacheta, durante os seus mandatos no governo (a última de Pimentel foi em janeiro), apontam retribuições ao parlamentar.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: Hoje em Dia/Filipe Motta)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>