Helicóptero que caiu em Minas Gerais não tinha autorização para voos panorâmicos, diz Anac

0

Investigações do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), do Comando da Aeronáutica vão comprovar se o helicóptero que caiu em Capitólio, na Região Sul de Minas, fazia voos panorâmicos. Caso a situação seja confirmada, os responsáveis pela empresa podem sofrer sanções, pois, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave não tinha autorização para realizar voos panorâmicos. O acidente deixou quatro pessoas feridas nesse domingo.

Por meio de nota, a Anac informou que a aeronave com matrícula PP-MAM estava registrada como privada, “logo não poderia ofertar serviço de voos panorâmicos”. Para voos comerciais, ela teria que estar registrada como táxi aéreo e o piloto ser habilitado como piloto comercial. “ Sobre o piloto, informamos que ele estava devidamente habilitado para operar a aeronave. É importante ressaltar que a ANAC não confirma o tipo de voo realizado no momento do acidente. A informação só será confirmada após conclusão do relatório de acidente aéreo expedida pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), do Comando da Aeronáutica”, afirmou o órgão. De acordo com a Anac, os documentos da aeronave estão em conformidade com o Registro Brasileiro Aeronáutico (RAB).

A informação de que a aeronave estava sendo usada para voos panorâmicos foi repassada pelo Corpo de Bombeiros depois do acidente nesse domingo. Segundo os militares, o helicóptero pertence à empresa Wsfly. A companhia não foi encontrada pela reportagem para comentar o caso.

Banhistas ajudaram a resgatar as vítimas (foto: Divulgação)

Feridos

Seguem internadas na Santa Casa de Passos, na Região Sul de Minas Gerais, três vítimas da queda de helicóptero. O acidente foi filmado por banhistas que estavam às margens do Rio do Turvo. Técnicos do Seripa III foram para o o local nesta segunda-feira para começar as análises que podem levar as causas da ocorrência.

De acordo com a Santa Casa de Passos, dos três pacientes que estão na unidade de saúde, apenas um autorizou a passar o estado de saúde. Tiago Rosa Travasos, 31 anos, seguem em estado estável. Ele deve passar por tomografia na tarde desta segunda-feira.

Banhistas ajudaram a resgatar as vítimas (foto: Divulgação)

O acidente aconteceu na tarde de domingo. Banhistas que estavam às margens do Rio Turvo filmaram o momento da queda. Nas imagens, é possível observar que, em princípio, algumas pessoas reclamaram da baixa altitude do helicóptero. Alguns segundos depois de sobrevoar o espelho d’água, a aeronave começou a perder altitude e caiu a poucos metros da margem do rio. Banhistas correram para socorrer o piloto e passageiros. A Aeronáutica investigará a causa do acidente, mas, segundo testemunhas, o chamado ‘vento de cauda’ pode ter contribuído para a queda.

Por meio de nota, o Seripa III afirmou que uma equipe segue para a cidade onde vai fazer a primeira análise do acidente. “A Ação Inicial é o começo do processo de investigação e possui o objetivo de fotografar cenas, retirar partes da aeronave para análise, ouvir relatos de testemunhas e reunir documentos. A investigação realizada pelo CENIPA tem o objetivo de prevenir que novos acidentes com as mesmas características ocorram”, concluiu no documento.

De acordo com a Polícia Civil, a ocorrência da queda foi recebida pela corporação. Como não é responsável pela investigação de acidentes aéreos, informou que aguarda o posicionamento das vítimas caso elas façam uma representação por lesão corporal. Caso isso seja feito, uma apuração pode ser realizada pela corporação.

VÍDEO



VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Aconteceu no Vale em primeira mão. Clique em curtir no endereço www.facebook.com/aconteceunovale ou no box abaixo:


(Fonte: Estado de Minas)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.