Investigação aponta que mais de R$ 600 mil foram desviados da Prefeitura de Belo Oriente

0

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) afirmou em coletiva na tarde de terça-feira (6/12/2016) que mais de R$ 600 mil foram desviados de recursos públicos da Prefeitura de Belo Oriente (MG) através da falsificação de documentos e procedimentos internos da gestão da atual administração, como a contratação de funcionários fantasmas.

O valor foi pontuado após investigações da operação Perfídia, deflagrada na manhã desta terça-feira, com a prisão de três ex-funcionários públicos. Segundo as investigações, a estimativa é de que mais de 100 pessoas estejam envolvidas no esquema.

De acordo com a promotora do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Renata Cerqueira, as investigações começaram no início deste ano após denúncias de alguns vereadores da cidade. “Pessoas que não foram aprovadas em concursos públicos foram contratadas pelo município de Belo Oriente, e recebiam o valor sem poderem ter prestado qualquer tipo de serviço ao município”, explica a promotora.

O delegado Gilmaro Alves relata que no esquema havia vários formatos de como o dinheiro seria repartido entre os envolvidos. Gilmaro acredita que esses valores possam ter sido usados em campanhas eleitorais.

“Temos o segundo investigado, que foi um candidato a vereador e, em seguida, foi eleito na cidade. Essa pessoa, segundo as investigações, estaria relacionada com o terceiro envolvido por angariar pessoas, ou seja, fornecer os nomes de pessoas que em tese iriam receber esses valores. Até o momento, o que se apresenta é que ele iria fazer o uso dessas pessoas em busca de benefícios políticos”, salienta o delegado.

Ministério Público afirma que há mais de 100 pessoas no esquema (Foto: Pedro Samora/G1)

O delegado pontua ainda que a maioria dos documentos foram fraudados pelo funcionário do departamento administrativo. “O chefe de departamento pessoal da prefeitura fazia a postagem junto aos sistemas de informação da prefeitura com nomes de pessoas que jamais prestaram serviços à municipalidade. No entanto, ao não prestarem serviços, essas pessoas recebiam em suas contas bancárias valores referentes aos salários que em tese seriam pela prestação de serviço que já mais foram efetivados”, revela Gilmaro.

Além dos três servidores que foram presos nesta manhã, a promotora Renata Cerqueira conta que 28 servidores públicos estão confirmados no esquema, mas não descarta a participação de mais pessoas. “Há cerca, ou mais, de 100 pessoas e nós ainda não temos como precisar desse número, por razão da investigação ainda estar em curso”, revela Renata.

Em nota, a Prefeitura confirmou que dois dos conduzidos trabalharam para o atual governo até 2014. O terceiro conduzido foi exonerado tão logo a auditoria interna confirmou a suspeita de desvio de recursos. O resultado preliminar desta auditoria foi encaminhado aos órgãos competentes para que a Justiça seja feita. Ainda segundo a nota, a atual administração está tranquila quanto aos trabalhos que ainda estão sendo feitos pela comissão interna, que culminaram na Comissão Processante.

Entenda o caso

Três ex-servidores da Prefeitura de Belo Oriente foram presos na manhã desta terça-feira, na operação Perfídia, que investiga um esquema de desvios de dinheiro público na prefeitura, envolvendo a gestão da atual administração. Entre os presos estão um vereador eleito neste ano, que é ex-funcionário do setor administrativo do município. Durante a ação, foram apreendidas duas armas e documentos.

De acordo com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), os funcionários se associavam para falsificar documentos e procedimentos internos da prefeitura com a finalidade de obter benefícios e ganhos financeiros.

Material apreendido na na operação do Gaeco (Foto: Divulgação/Gaeco Ipatinga)

(Fonte: G1 dos Vales)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.