Uma das mais belas homenagens já vistas no mundo do futebol

0

O palco que deveria celebrar uma final inédita da Copa Sul-Americana, o estádio Atanasio Girardot, em Medellín, tornou-se um dos locais de uma das mais belas homenagens já vistas no mundo do futebol. Além das milhares que ficaram do lado de fora, mais de 40 mil pessoas lotaram ontem (30/11/2016) a casa do Atlético Nacional para homenagear os 71 mortos na queda do avião da LaMia que levava a delegação da Chapecoense para a inédita disputa.

Às 21h45, horário em que deveria começar a primeira partida da final, as torcidas da Chapecoense e do Atlético Nacional começaram simultaneamente, na Arena Condá, em Chapecó (SC), e no Atanásio Girardot, a homenagem aos mortos no acidente da última terça-feira (29).

Representando o Brasil em Medellín, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, fez um discurso emocionado. “Nós brasileiros não esqueceremos jamais a forma como os colombianos sentiram como seu o terrível desastre que interrompeu o sonho da heroica equipe da Chapecoense. Assim como não esqueceremos a atitude do Atlético Nacional e de todos os torcedores que pediram que se concedesse o título da Copa Sul-Americana à Chapecoense. Um gesto que honra o esporte e que honra a querida cidade de Medellín”, disse.

A homenagem durou os 90 minutos que seria o tempo a partida. Na Arena Condá, milhares de pessoas se reuniram para uma cerimônia religiosa e para lembrar dos “heróis” locais, com muitas lágrimas e homenagens. Com cantos de “é campeão” e da música criada pelos torcedores do Nacional para a Chapecoense, os torcedores promoveram uma belíssima homenagem aos falecidos.

“A tragédia que vitimou também jornalistas e membros da tripulação e as inúmeras manifestações de carinho para a Chape no Brasil, na Colômbia e no mundo são testemunhas da importância da nobreza do esporte como catalisador dos melhores sentimentos humanos, como arma para combater a intolerância, como instrumento para construirmos um mundo melhor”, disse Serra, lembrando que as cores da Chapecoense e do Atlético são verde e branco, “esperança e paz”.

Os nomes de todas as vítimas – incluindo os jornalistas e a tripulação que faleceram – foram declamados sob muitos aplausos.

Colombianos lotaram estádio de Medellín (Foto: Reprodução/Futebol Alternativo)

Homenagens comovem atletas e população de Chapecó

Dezenas de milhares de pessoas lotaram a Arena Condá, estádio da Chapecoense, na noite de ontem (30) para homenagear as vítimas do acidente aéreo na Colômbia. A emoção tomou conta da multidão desde a chegada ao estádio. Nas ruas de Chapecó, parecia não haver outro destino possível que não fosse a Arena Condá: grupos de amigos e famílias inteiras caminhavam rumo ao estádio vestindo as cores da Chapecoense e carregando faixas e bandeiras do clube.

As arquibancadas ficaram completamente lotadas. Os torcedores passaram a noite entoando cantos de apoio, em um esforço para mostrar ao mundo que o Verdão do Oeste não vai morrer com a tragédia que levou grande parte de seus jogadores, dirigentes e comissão técnica.

Com a presença no gramado de parentes das vítimas e de atletas que não foram relacionados para a viagem, a homenagem teve uma celebração religiosa em nome dos mortos. Em seguida, no auge da cerimônia, o telão da Arena Condá exibiu os nomes e as fotos de todas as 71 pessoas que morreram no acidente, momento que levou a multidão às lágrimas.

Homenagem na Arena Condá, estádio da Chapecoense (Foto: Daniel Isaia/Agência Brasil)

Homenagem emociona atletas

“Eu estava na lista do voo e não fui de última hora. Acho que isso, talvez, seja um aviso que era pra eu ficar aqui. Por isso, não posso me negar a nada. O que precisar fazer por esse clube, eu estou disposto”, afirmou o goleiro Nivaldo. Ele havia anunciado, após o acidente, que iria se aposentar dos gramados, mas agora disse não descartar uma sequência na carreira para ajudar a Chapecoense.

O atleta, um dos mais antigos no clube, falou sobre a torcida que lotou a Arena Condá para homenagear as vítimas da tragédia. “O torcedor tem a mesma dor que nós temos. Acho que eles fizeram hoje aquilo que não puderam fazer na final [da Copa Sul-americana]. Eles acreditavam que poderíamos ganhar o título, e acho que hoje foi uma válvula de escape. A gente se sente confortável de ter o apoio do torcedor nesse momento”, concluiu Nivaldo.

Outro goleiro da Chapecoense que não viajou com a delegação, Marcelo Boeck, disse que pretende preservar a memória dos colegas que morreram no acidente. “A minha lembrança, aquilo que eu vou tentar passar, é de alegria. É de um grupo feliz de homens que faziam tudo por suas famílias, para que os filhos deles, quando crescerem, possam ter orgulho e lembrar deles com carinho e alegria”, ressaltou.

Boeck contou, ainda, que fez aniversário na segunda-feira (28), véspera da tragédia. Ele pediu para não viajar para poder aproveitar a data com a família. “A gente tem um grupo no WhatsApp só dos jogadores. Todos eles me felicitaram, então eu vou guardar esse grupo para sempre. Não vou apagar, não vou sair, porque essa é a última lembrança que eu tenho deles. Um grupo parceiro, um grupo amigo”, relatou o atleta.

CBF divulga agradecimento a colombianos

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou hoje (1º de dezembro de 2016) nota de agradecimento à homenagem prestada pelos colombianos. “Aos colombianos, fica o nosso muito obrigado! Essa noite de carinho não será esquecida!”, diz o texto, que também conta a comoção que envolveu torcedores na Arena Condá, casa do time catarinense.

“Enquanto o sofrimento insiste em machucar o espírito dos familiares, amigos e pessoas que comoveram-se com a tragédia, a solidariedade que emanou de Chapecó e Medellín certamente fez um afago na alma de todos os que precisam de apoio e força nestes dias tão difíceis”.

90 minutos de silêncio

O canal de TV FOX Sports, que perdeu seis profissionais no acidente aéreo, homenageou as vítimas com 90 minutos de silêncio na noite de ontem, também no horário em que seria disputada a partida.

No intervalo, o canal exibiu depoimentos em homenagem aos trabalhadores que acompanhavam a Chapecoense em sua primeira final internacional: Deva Pascovicci, Mário Sérgio, Paulo Julio Clement, Victorino Chermont, Rodrigo Santana e Lilacio Junior.

O canal FOX Sports 2 transmitiu as homenagens na Colômbia e em Santa Catarina.

Vídeo da homenagem em Medellín



(Com informações das agências Brasil e Ansa)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.